Bolsonaro é a continuação do Golpe: Rodrigo Maia diz que suas agendas “convergem”

rodrigo maia

Da redação – Como já vem sendo amplamente discutido neste Jornal, a candidatura do fascista Jair Bolsonaro (PSL) representa uma continuidade e aprofundamento da agenda neoliberal colocada em marcha por Michel Temer, após o Golpe de Estado que depôs ilegalmente a presidenta Dilma Rousseff em 2016. Dessa vez, um dos maiores aliados do golpista Michel Temer anunciou que pretende se aliar a Jair Bolsonaro para levar a agenda de ataques aos direitos da classe operária adiante.

Rodrigo Maia (DEM), atual presidente da Câmara dos Deputados, anunciou que pretende pensar na sua reeleição à Presidência da Casa e que a vitória de Bolsonaro no segundo turno levaria adiante uma visão mais alinhada com a sua. Maia foi um dos principais articuladores da aprovação na Câmara dos Deputados das “reformas” propostas pelo governo Temer e que retiraram vários direitos da classe trabalhadora e atacaram sistematicamente as condições de vida do povo brasileiro, como é o caso da reforma trabalhista e da emenda constitucional de congelamento dos gastos públicos. Maia, pivô do governo Temer na câmara, agora se candidata para exercer o mesmo papel no governo de extrema direita de Bolsonaro, o que deixa claro que os dois não passam de representantes do Golpe de Estado no Brasil, verdadeiros capachos da burguesia e do imperialismo norte-americano.

Apesar disso, Mais afirmou que trataria do assunto formalmente apenas após as eleições de domingo, mas já vem realizando uma série de reuniões com as bancadas alinhadas ao programa de Bolsonaro, como é  caso da chamada “bancada da bala” com a qual Maia se comprometeu em flexibilizar o Estatuto do Desarmamento logo após a eleição. Maia também acenou para os ruralistas e afirmou que será discutida uma proposta para tipificar a chamada “invasão de terras” como crime de terrorismo, o que daria carta branca para as polícias e as milícias a serviço dos grandes latifundiários massacrarem a população camponesa que luta pelo direito a terra.

O que fica muito evidente nesse cenário é que a ala da direita que se anuncia como sendo “centro”, é tão fascista quanto Bolsonaro e nada tem de democrática, como vem sendo anunciado na imprensa burguesa. Os políticos da direita, todos eles representantes da burguesia, apoiam também o avanço da extrema-direita fascista porque eles também são fascistas e não medirão esforços para atacar a classe trabalhadora em nome dos lucros dos patrões.

No fim das contas, o que se espera do futuro governo é a continuação do Golpe de Estado com contornos cada vez mais repressivos e com ataques cada vez mais intensos aos direitos e condições de vida dos trabalhadores. É preciso se preparar desde já para combater esse avanço do Golpe e da extrema-direita, e para isso é preciso abandonar as ilusões eleitorais e mobilizar as organizações da classe operária para formar comitês de luta contra o Golpe. Além disso, é preciso que todos os setores da esquerda e dos movimentos populares organizem a Conferência Nacional Aberta De Luta Contra o Golpe e o Fascismo para que se tomem eixos de ação organizados e para que possa fazer avançar a luta e derrotar o Golpe a direita nas ruas.