Bolsonaro diz que Greenwald “cometeu crime” e ameaça jornalista

7800960_x720

Da redação – O presidente golpista, Jair Bolsonaro, voltou a atacar o jornalista Glenn Greenwald. Greenwald é editor do The Interecept, que tem divulgado uma série de conversas entre Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato, que comprovam a ilegalidade cometida por toda a operação.

O fascista disse que Glenn “cometeu crime” e em outro país estaria em uma outra situação, já que o jornalista estaria atacando a República.

“Eu estou achando que, no meu entender, ele cometeu um crime porque em outro país ele estaria já numa outra situação. Espero que a Polícia Federal chegue, ligue realmente todos os pontos. No meu entender isso teve transações pecuniárias. E pelo que tudo indica a intenção é sempre atingir a Lava Jato, atingir o [ministro] Sérgio Moro, a minha pessoa, tentar e desqualificar e desgastar. Invasão de telefone é crime, ponto final.”

“Não pode se escudar ‘sou jornalista’. Jornalista tem que fazer seu trabalho. Preservar o sigilo da fonte, tudo bem, agora uma origem criminosa o cara vai preservar o crime invadindo a República? Desgastando o nome do Brasil lá fora inclusive? Espero que a PF chegue… Não é fácil, mas chegue aos finalmente”

Bolsonaro já havia chamado Greenwald e seu marido do PSOL, o deputado David Miranda, de malandros. Moro, através da portaria 666, anunciou a deportação de estrangeiros “perigosos”, direcionando-se sutilmente a Greenwald. Agora, Bolsonaro espere que a PF “chegue aos finalmente”, isto é, censure de uma vez por todas as notícias contra a Lava Jato e, se for possível, podem até prender o jornalista norte-americano.

O objetivo dos golpistas é estabelecer uma ditadura no país. Por isso, é preciso aproveitar a crise e mobilizar pela derrubada do governo Bolsonaro e de todos os golpistas.