Próximo ao abismo
Dado o descalabro que evolui rapidamente, a saída que os asseclas golpistas tentaram empurrar goela abaixo da população é velha conhecida: sujeitar o país aos ditames do FMI
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
jair-bolsonaro-1
Jair Bolsonaro, presidente eleito pela frande eleitoral de 2018 | Reprodução

Nesta quinta-feira, 30, o Banco Central soou o alarme da economia nacional e informou que a dívida bruta do setor público bateu novo recorde e está a caminho da catástrofe ao ultrapassar a barreira dos 90% do Produto Interno Bruto (PIB); mais especificamente 90,6% do PIB no mês de setembro.

O equivalente a R$ 6,53 trilhões relativos aos 90,6% do PIB demonstra o aprofundamento da crise em que o país se encontra. Basta considerarmos os R$ 5,5 trilhões acumulados em dezembro do ano passado, quando a dívida estava em 75,8% do PIB. Não obstante, o prognóstico por parte do governo golpista não nos oferece nenhum alento. Segundo o ministério da Economia, a dívida bruta do setor público pode chegar a 93,9% do PIB até o final do ano. Ademais, de acordo com o Banco Central, esse foi o pior resultado para este mês desde o início da série histórica da instituição, em 2001. Somente de janeiro a setembro, as contas do setor público apresentaram déficit primário de R$ 635,926 bilhões. Considerando-se que o déficit fiscal foi de R$ 20,541 bilhões em setembro de 2019, é possível ter uma clara noção do tamanho do desastre que nos assombra.

De setembro de 2019 até setembro deste ano, o resultado ficou negativo, com um acumulado de R$ 990,996 bilhões, o que equivale a 13,74% do PIB. Este valor, contudo, está longe de ser aceitável, visto que é alto para padrões internacionais e até mesmo economias emergentes. Bolsonaro e seus asseclas, de fato, não possuem o mínimo compromisso com a recuperação da economia nacional; mas, dado o descalabro que evolui rapidamente, a saída que os asseclas golpistas tentaram empurrar goela abaixo da população é velha conhecida: sujeitar o país aos ditames do Fundo Monetário Internacional (FMI). É notório que o país está indo para um endividamento irreversível. Com a direita golpista e submissa no governo, não é preciso ser nenhum guru para prever que irão empurrar um empréstimo com o FMI juntamente com a cartilha de destruição da economia nacional, colocando-nos como submissos dos grandes bancos internacionais. Nesse caso como nos outros, quem paga a conta é a classe trabalhadora.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas