“Toma lá, dá cá.”
O bom filho (do centrão), Bolsonaro, à casa torna. Por 28 anos, o ilegítimo presidente fez parte do centrão. Volta e distribui o FNDE, o banco do Nordeste, o DNOCS, Ibama, Incra…
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
jair-bolsonaro-1
Foto REPRODUÇÃO DCO |

RӃ dando que se recebe

Líder do centrão na Constituinte, o deputado Roberto Cardoso Alves deixou uma máxima para a história: “É dando que se recebe”. Era o ano de 1988. Jair Bolsonaro, enfim, fala a linguagem do Centrão.  “É dando que se recebe”,  campo político de que, por 28 anos, o ilegítimo presidente, foi um de seus membros. O bom filho (do centrão) à casa volta. Bolsonaro volta ao centrão.

O presidente faz isso, em um momento de crise do regime político de extrema direita, para onde Bolsonaro do centrão se deslocou para fazer-se presidente. É dando – por enquanto, bolsonaro propõe repassar R$ 86 bilhões ao centrão – que se recebe. Bolsonaro quer do centrão receber o voto não ao impeachment, que ameaça o seu posto de presidente do Brasil.

Generoso com o orçamento público, Bolsonaro, na base do “toma lá, dá cá”, dá R$ 86 bilhões ao centrão. Os R$86 bilhões, são ofertados aos partidos do centrão, como PP, PL, Republicanos e PSD.

As presidências e diretorias desses órgãos são cobiçados por políticos pelo poder regional que representam, informa a imprensa capitalista. O maior orçamento responde por R$ 54 bilhões. Trata-se do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Essa montanha de dinheiro, é para as políticas de desenvolvimento da educação, e a verba é carreada para governos estaduais e municipais. Fiel à máxima do centrão, essa verba é distribuída tendo como pressuposto, “é dando que se recebe”?. Compra de livros didáticos, Alimentação escolar.

Corrupção. Superfaturamentos

A Polícia Federal desarticulou um grupo que desviou cerca de R$ 12 milhões em recursos do FNDE no Pará em 2018. O presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Silvio Pinheiro, era do PSDB, em vias de filiar-se ao DEM. No Paraná a Operação Quadro Negro, o ex-governador Beto Richa (PSDB) poi pego em 2015, desvios de verbas do fundo para construção de escolas. Em 2013, o então presidente do FNDE, José Carlos Wanderley Dias de Freitas, indicado pelo PP, mesmo partido de Jair Bolsonaro, foi pego em grampo. Pediu então exoneração.

O PP tenta agora emplacar no cargo Marcelo Lopes da Ponte, ex-chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira (PI), presidente do partido. Bolsonaro nomeou na segunda-feira um ex-assessor da liderança do PL na Câmara dos Deputados, Garigham Amarante Pinto, para a diretoria de ações educacionais do FNDE. O Banco do Nordeste, tem um gordo orçamento. São R$ 29 bilhões. O atual presidente é Romildo Rolim, apadrinhado de Eunício Oliveira, ex-senador do PMDB. Em maio do ano passado, o deputado Arthur Lira/Progressista, atual nome do antigo PP, quase abocanhou o Banco.

Valdemar Costa Neto, ex-deputado federal, PL, centrão, sua nomeação sai nos próximos dias, informa a imprensa burguesa. O PP, onde Bolsonaro esteve filiado por longo tempo, velho conhecido do presidente, conseguiu emplacar um diretor no DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas), órgão com um orçamento de R$ 1,09 bilhão nesse ano. A atuação do departamento é na construção de açudes, reservatórios, perfuração de poços e irrigação, entre outras obras. Fernando Araújo, indicado pelo PP, foi nomeado em 6 de maio. Em 2012, a Controladoria-Geral da União (CGU) apontou desvios de R$ 192 milhões em obras no DNOCS, levando ao afastamento do então diretor-geral do órgão, Elias Fernandes/PMDB.

Outros órgãos com vultosos orçamentos, muito cobiçados. A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), com orçamento de R$ 1,62 bilhão, hoje está nas mãos de Marcelo Andrade Moreira Pinto, indicado de Elmar Nascimento (BA), ex-líder do DEM na Câmara. Os partidos que se aproximaram recentemente de Bolsonaro — PSD, PP, PL e Republicanos — fizeram uma investida para emplacar um novo indicado na Codevasf, mas ficou decidido que o órgão continuaria nas mãos do DEM.

O governo Bolsonaro dá cargos desde julho do ano passado. Indicados políticos no Ibama, Incra, Secretaria do Patrimônio da União (SPU), Funasa, Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), Dnit e Iphan, entre outros órgãos.

A tendência é tudo voltar para as mãos do centrão. Daí o motivo de, mesmo com 35 pedidos de impeachment, Maia estar sentado em cima deles. Em mãos de Maia/DEM, com quem Bolsonaro voltou a namorar, está a decisão de abrir ou não processo de impeachment. Desde que bolsonaro de mão aberta, coloque em prática o “dando que se recebe”, a prática do “toma lá, dá cá”, com o  dinheiro público, o afastamento do ilegítimo presidente não está entre as prioridades do centrão, que está a lucrar, e muito.

A posição da esquerda institucional não deve ser apoiar um dos setores do bloco golpista. É hora de mobilizar nas ruas pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas, sejam eles da direita tradicional, do centrão, sejam eles da extrema-direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas