Ataque contra os mais pobres
Ao longo de 2019 foram cortados 1,3 milhão de beneficiários do Bolsa família no Brasil. Golpistas festejam a “economia” de recursos às custas da população em extrema pobreza
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
c3daf8b1b4_bolsa-familia
Pessoas aguardam para receber o benefício do Bolsa família: Guga Matos/ JC Imagem |

De maio a dezembro de 2019, o número de famílias beneficiadas pelo programa Bolsa família despencou em Caruaru, cidade do agreste pernambucano. De acordo com o Cadastro Único, base de dados do governo federal sobre a população de baixa renda, 31.156 famílias de Caruaru eram contempladas pelo Bolsa Família em maio de 2019. Em dezembro do mesmo ano, recebiam o auxílio 29.079 famílias, que envolvem cerca de 90 mil pessoas, 22,64% da população total da cidade. Em outras palavras, 2.077 famílias do município pernambucano perderam o auxílio nesse intervalo de 7 meses do governo fascista de Jair Bolsonaro.

O governo tenta justificar os cortes de diversas maneiras. Uma das razões é que alguns inscritos no Bolsa Família teriam forjado dados sobre sua situação econômica a fim de receber um benefício ao qual, supostamente, não teriam direito. Outra é que algumas pessoas atendidas pelo programa não atualizaram os seus cadastros conforme exigências do governo. Mas a razão principal, comemorada de forma perversa pelos golpistas, é uma suposta economia de recursos. Do ponto de vista de pessoas em situação de extrema pobreza, esses recursos têm uma importância decisiva; do ponto de vista do orçamento federal, são um valor irrisório poupado para alimentar os capitalistas que parasitam o estado brasileiro. Nacionalmente, o governo estima poupar cerca de R$ 1,4 bilhão graças aos cortes no Bolsa Família. Eis o programa econômico neoliberal defendido por todos os partidos burgueses. Não há diferença entre PSDB e Bolsonaro em nenhum ponto essencial.

Quando se considera a situação econômica da enorme maioria das pessoas ajudadas pelo Bolsa Família, torna-se bem claro que cortes desse tipo são mais uma ação criminosa do governo ilegítimo de Bolsonaro contra a população. Podem receber o benefício as famílias em situação de extrema pobreza (com renda mensal por pessoa de até R$ 89) ou de pobreza (com renda mensal por pessoa entre R$ 89,01 e R$ 178). Trata-se de uma parte considerável da população brasileira, famílias que sobrevivem com menos de um salário mínimo por mês.

O valor básico pago pelo programa para cada família é R$ 89; a ele se acrescentam valores por criança, adolescente, grávida ou mãe que amamenta, até o máximo de R$ 205. Num momento de crise econômica e desemprego crescente, é óbvio que a perda desse benefício é um golpe duro em qualquer família em situação de pobreza ou extrema pobreza. O governo Bolsonaro e a corja de seus aliados neoliberais (os partidos burgueses em geral, sobretudo o PSDB) não hesitam em matar de fome a população. A única forma de conter os ataques contra os trabalhadores é lutar pela derrubada do governo Bolsonaro e pela derrota do golpe iniciado em 2016 através da palavra de ordem de Fora Bolsonaro e todos os golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas