Fora!
Atendendo aos interesses dos capitalistas, Bolsonaro transforma o benefício em uma verdadeira esmola
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro
Presidente ilegítimo Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução/PR

Na manhã de ontem (1º), o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro anunciou, entre outros ataques contra os trabalhadores, que irá reduzir o valor do auxílio emergencial para R$300. Hoje, o benefício tem como valor R$600.

A medida, embora criminosa, não é uma novidade. Desde o início do pagamento do auxílio, os capitalistas sempre defenderam que esse tivesse o menor valor e a mais curta duração possível. O que os golpistas querem, de fato, é acabar com o auxílio, mas tomaram a decisão de diminuir o seu valor apenas para atender a interesses eleitorais e para evitar uma explosão social.

A possibilidade de uma explosão social sempre foi, inclusive, o único motivo pelo qual o governo Bolsonaro, inimigo do povo, decidiu implementar o benefício. O auxílio emergencial não é uma “vitória da oposição”, como alega a esquerda parlamentar, nem um gesto de humanidade do governo. Trata-se apenas de um acordo, de uma concessão da burguesia, para evitar que o país colapsasse o governo fosse violentamente derrubado.

Mesmo a burguesia tendo essa preocupação em mente — isto é, de que sem um auxílio emergencial dificilmente o governo se sustentaria  —, o valor do benefício não corresponde, nem de longe, às necessidades mais básicas dos trabalhadores. Na melhor das hipóteses, uma família poderá receber R$1,2 mil de auxílio. Se essa família for composta por cinco pessoas — o que seria uma família bastante pequena —, são nada mais que R$240 por pessoa por mês. Ou ainda R$8 por pessoa por dia. Evidentemente, esse valor é insuficiente para uma alimentação digna, aluguel, energia, água etc.

Não é à toa, portanto, que, mesmo com o auxílio emergencial, o consumo das famílias teve a maior queda já registrada na história (12,5% entre abril e junho). Se o auxílio for reduzido para R$300, a situação vai ser ainda mais dramática: literalmente, milhões de pessoas serão empurradas para uma situação de fome.

A única maneira de não morrer de fome, já que o auxílio está beirando à extinção, será que os trabalhadores estejam nas ruas para trabalhar, o que está acontecendo, uma vez que o governo nunca promoveu um isolamento social real. Por um lado, milhares desses trabalhadores acabarão morrendo e levando o coronavírus para as suas famílias, ao ter de andar em transportes lotados e trabalhar em galpões aglomerados. Por outro, uma grande parcela não vai conseguir emprego, uma vez que a burguesia está cada vez mais falida.

A política de Bolsonaro, assessorado por Paulo Guedes, é a política oficial do imperialismo para o Brasil: nada para o povo, tudo para os capitalistas não entrarem em falência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas