Manipulação da burguesia
A burguesia infla a popularidade de Bolsonaro para assustar o povo e manipular a esquerda para apoiar um candidato de direita.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro Acadêmicos do Vigário levou à avenida palhaço gigante foto twitter
O "espantalho" Bolsonaro. Desfile da escola de samba Acadêmicos do Vigário | Foto: reprodução Twitter

A mais recente pesquisa de popularidade do presidente golpista Bolsonaro, feita pelo instituto Ibope, mostrou que este tem uma aprovação de 40% (soma das porcentagens de ótimo e bom). Este seria o melhor percentual de aprovação de Bolsonaro desde o início de seu mandato. A pesquisa anterior teria indicado um valor de 29%.

A pesquisa do Ibope aponta ainda que o índice de confiança no presidente e aprovação à sua maneira de governar também aumentaram. A pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria foi realizada entre 17 e 20 de setembro com duas mil pessoas em 127 municípios.

Segundo o instituto esta melhora na avaliação do presidente ilegítimo seria devido ao auxílio emergencial, também conhecido como bolsa esmola, e que, como diz a imprensa burguesa, refletiria uma aprovação da população à política de combate à fome e à pobreza do governo.

Estes resultados divulgados pelo Ibope, instituto a serviço da burguesia, são completamente absurdos. Como é possível que a popularidade de um presidente que tem sistematicamente cortado pessoas do programa do Bolsa Família, cortado benefícios como a aposentadoria, emprego em carteira, direitos trabalhistas e outros direitos históricos pode ter uma alta de popularidade?

É necessário lembrar ainda a política desastrosa, ou melhor, a completa falta de política de combate à pandemia do coronavírus de Bolsonaro. Neste momento a doença já fez mais de 140 mil vítimas fatais, com mais de 4.650.000 casos confirmados. São mais de 28 mil casos novos e uma média de 700 mortos por dia. O governo Bolsonaro não fez absolutamente nada para a contenção da doença ou o seu combate, não aumentou o número de leitos, não distribuiu luvas, máscaras ou álcool gel e nem fez testes com a população. Desde o início Bolsonaro fez a propaganda ao contrário, clamando a população a retomar a vida normal e fazendo piada dos mortos como se eles tivessem morrido porque eram pessoas fracas, um completo escárnio.

Neste sentido é claro como água que as pesquisas são fraudulentas, manipuladas e direcionadas para o resultado esperado pela organização que encomendou o estudo.

Agora, o que é necessário é entender é qual o objetivo de se tentar impor uma farsa grande como esta. O que a burguesia está fazendo, com a ajuda da imprensa tradicional, é apresentar Bolsonaro como uma figura de grande apoio popular, com grande base social. Como já se constatou durante os últimos meses Bolsonaro não é o candidato preferencial da burguesia. Ele foi o resultado da falta de opções dentro da direita. A burguesia prefere uma figura mais normal, menos espalhafatosa, menos bizarra para comandar o país. Prefere alguém como Geraldo Alckmin, um legítimo representante da burguesia, um filhote da ditadura militar, que seria a autêntica voz de seus interesses. Mas como a eleição de 2018 se desenvolveu daquela forma, com Alckmin incapaz de atrair votos, então a burguesia foi obrigada a ficar com sua segunda opção, Bolsonaro.

Mas para 2022 setores da burguesia já estão se articulando para fazer vencer o seu candidato preferido. Desta forma, a direita apresenta o “crescimento” da popularidade de Bolsonaro como um espantalho que criará medo nos setores mais à esquerda da população, que tenderá a votar no candidato “menos pior”, mesmo que direitista, para derrotar Bolsonaro.

Essa é uma estratégia que deu certo várias vezes no passado. A população do estado de São Paulo conhece muito bem esta estratégia, tanto é que por causa deste erro histórico do PT o governo do estado está há décadas na mão do PSDB. Antes o espantalho usado pela burguesia era Paulo Maluf, hoje em dia é usado Celso Russomanno.

A outra estratégia que foi colocada em movimento é a frente ampla. O objetivo expresso inicialmente pela frente ampla seria o combate à direita e ao fascismo e para isso estariam agrupando setores da esquerda como o PCdoB e PSOL com políticos da direita como Ciro Gomes. Tal estratégia foi utilizada inúmeras vezes no passado e seu resultado é sempre o mesmo, uma derrota humilhante para a esquerda e para a classe trabalhadora.

A frente ampla foi criada pela burguesia com o principal intuito de tirar o PT do páreo. Sua função é tirar da eleição o único político que tem condições de unificar a classe trabalhadora e ganhar a eleição que é Lula. Por isso é importante para a burguesia fazer estas duas estratégias darem certo, de modo que em 2022 possam eleger o candidato que eles querem, seja lá qual for o nome, João Doria, Luciano Huck ou Fulano de Tal.

Por isso é necessário que todos os setores progressistas, interessados na derrubada de Bolsonaro e de todos os golpistas, rejeitem essas manobras da burguesia. É necessário investir na mobilização das grandes massas populares e lutar pelos direitos políticos de Lula, para que ele possa ser o candidato que fará a unificação das esquerdas, o único político com reais condições de ganhar as eleições de 2022.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas