Bolsonaro colocou um miliciano fascista no governo: organizar a auto-defesa dos trabalhadores
mannato
Bolsonaro colocou um miliciano fascista no governo: organizar a auto-defesa dos trabalhadores
mannato

O governo Bolsonaro nomeou para ocupar o cargo de Secretário Especial para a Câmara dos Deputados da Casa Civil da Presidência da República um ex-membro do esquadrão da morte, a chamada, Scuderie Le Cocq, milícia fascista composta por policiais que assassinaram milhares de pessoas durante a ditadura militar. O ex-deputado capixaba Carlos Humberto Mannato foi nomeado na última sexta-feira (01), nomeação assinada por Jair Bolsonaro e Onyx Lorenzoni.

A nomeação de um assassino e torturador fascista para compor o governo e com a incumbência de dialogar com o Congresso, expressa que o governo Bolsonaro está claramente evoluindo à direita, tornando-se, a cada momento, não apenas mais antidemocrático com assumindo contornos ditatoriais e fascistas.

Esta tendência do governo Bolsonaro a evoluir no sentido de um governo abertamente fascista, composto pela escória da extrema-direita brasileira, como o caso escandaloso da nomeação do assassino e torturador Mannato, deve colocar toda a esquerda, as organizações operárias e populares etc.,  em estado permanente de mobilização. O governo mostra que irá partir com extrema violência, organizando milícias fascistas, reavivando um organização de assassinos com o esquadrão da morte, incorporando-os inclusive no governo.

É preciso se mobilizar e defender de todas as maneiras necessárias às organizações operárias e populares, a esquerda e os direitos democráticos do povo contra o ataque golpista e fascista. É preciso denunciar a ditadura fascista que está se  insinuando, bem como exigir a derrubada do aspirante a Mussolini brasileiro. Fora Bolsonaro e todos os golpistas.