Tal qual FHC
Apesar do discurso demagógico em torno de chavões nacionalistas, Bolsonaro coloca o país cada vez mais “nas mãos” dos banqueiros nacionais e internacionais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
jair-bolsonaro-2019
Jair Bolsonaro, presidente dos banqueiros nacionais e internacionais. | Reprodução.

A pandemia mundial do novo coronavírus aprofundou de maneira drástica a crise econômica mundial. Ao contrário do que querem fazer crer os governos e a imprensa capitalista, a pandemia, que não é o fator fundamental da crise, mas aprofundou a recessão econômica, o desemprego e o aumento das dívidas públicas, que já se encontravam em índices alarmantes antes da pandemia.

No Brasil, a pandemia também agravou uma situação que já era crítica para os trabalhadores. Os índices estratoféricos de desempregro e de subemprego levaram o país à uma situação inédita: há mais trabalhadores sem carteira de trabalho assinada do que trabalhadores empregados formamelnte. A perda do poder de compra dos salários, o aumento da inflação, o aumento da miséria, o aumento da fome e do número de moradores de rua levaram o país para uma situação insustentável.

Nesse situação de profunda crise social, um setor não foi afetado: os banqueiros. Pelo contrário, tiveram enormes ganhos durante a pandemia. Não apenas pelo aumento do endividamento dos trabalhadores e empresas, mas também pelo aumento da dívida pública que levou ao aumento do rendimento desse setor pelo pagamento de juros.

O percentual de vencimentos da dívida pública federal para os próximos 12 meses saltou a 26,03% em setembro, sobre 21,65% em agosto, e está no maior patamar desde setembro de 2014, segundo o Tesouro Nacional. O aumento do endividamento federal teria ocorrido, segundo o órgão, pela necessidade de aumentar as despesas do governos com a venda de títulos da dívida públicas mais longos e com maior premiação para os investidores.

Apenas no mês de setembro, a dívida pública federal do Brasil subiu 2,59% sobre agosto, a 4,527 trilhões de reais, em mais um mês marcado por forte volume de emissões.

Para piorar ainda mais a situação de submissão aos bancos, o governo Bolsonaro acabou de contratar novos impréstimos internacionais, pela primeira vez em mais de dez anos. Foram feitos empréstimos pelo Banco Mundial (US$ 1 bilhão), assim como pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) (US$ 1 bilhão); Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (US$ 1 bilhão); Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (US$ 1 bilhão); KfW Entwicklungsbank (US$ 420 milhões); Corporação Andina de Fomento (US$ 350 milhões); e a Agência Francesa de Desenvolvimento (US$ 240 milhões). Os valores totais dos empréstimos chegam a mais de R$ 20 bilhões (US$ 4,1 bilhões) e seriam para cobrir os custos com o pagamento do bolsa-família, seguro-desemprego e a compensação financeira que paga parte dos salários diminuídos pelas empresas. Ou seja, Bolsonaro e Paulo Guedes que distribuíram recursos federais para as grandes empresas e bancos, agora afundam o Estado nacional em dívidas com bancos internacionais, tal como ocorreu durante a Ditadura Militar e no governo pró-imperialista de Fernando Henrique Cardoso.

Os bancos anunciaram um lucro superior a R$40 bilhões, apenas no primeiro semestre de 2020, mas esse lucro na verdade foi muito maior, pois está diminuído das exageradas provisões que fizeram. Os ganhos dos bancos podem ser superiores a R$ 65 bilhões no primeiro semestre.

Esse lucro é o resultado dos privilégios concedidos ao setor, que recebeu pacote de liquidez de R$1,2 trilhão no dia 23/3/2020 e não emprestou o dinheiro, passando a lucrar ainda mais com a remuneração da sobra de caixa, feita diariamente e com toda generosidade pelo Banco Central aos bancos.

O pagamento da dívida pública é apenas e tão somente um mecanismo de transferência da verba pública, arrecadada pelos impostos, para os bancos (os maiores detentores dos papéis). As três esferas do poder executivo (governo federal, estaduais e municipais) entregam boa parte do seu orçamento (muitas vezes chegando à metade do valor anual) para os bancos. O dinheiro que deveria ser utilizado para a saúde pública, educação pública, assistência social, obras públicas etc é simplismente distribuído para o setor mais abastardo e parasita da economia nacional.

São esses mesmos bancos que apoiaram o golpe de Estado de 2016, apoiaram a candidatura de Jair Bolsonaro através da confiança do “seu funcionário” no Ministério da Fazenda, o banqueiro Paulo Guedes. São os bancos também que pressionam pelo ajuste fiscal, pelas reformas neoliberais e pelas privatizações. Medidas que servem para fazer todo o país trabalhar em função dos seu altos rendimentos, enquanto são destruídos os serviços públicos, são destruídos os direitos dos trabalhadores e entregues as riquezas nacionais.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas