Floresta para os capitalistas
Governo libera vastas extensões de terras amazônicas para uso da iniciativa privada favorecendo latifundiários
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
floresta-amazonica-gustavofrazão
Floresta amazônica, uma das maiores riquezas nacionais, é ameaçada pelo Governo Bolsonaro. | Foto: Gustavo Frazão

Acreditar que o governo ilegítimo de Jair Bolsonaro tem qualquer apreço pelo povo brasileiro, bem como, pelas riquezas naturais do país que governa, é fechar os olhos para todo o discurso proferido pelo presidente ao longo de sua vida pública, além de estar alheio a toda a política posta em prática pelo seu governo. A última grande jogada do governo dirigido pelo fascista tropical é a liberação de terras florestais, previamente concedidas para uso privado, seja ele relacionado ao extrativismo ou turismo.

Em fevereiro desse ano, Bolsonaro autorizou a concessão de parte de três florestas da região amazônica (Humaitá, Iquiri e Castanho) para uso da iniciativa privada. No mês subsequente, novo ataque: o governo federal, de forma autoritária e inconstitucional, transfere por meio de decreto, toda a atividade relacionada à concessão de terras para o MAPA (Ministério da Agricultura e Pecuária), retirando a atribuição do MMA (Ministério Meio Ambiente), deixando claro todo um conflito de interesses entre a preservação ambiental e o uso da floresta para fins econômicos diversos, muitos deles, insustentáveis.

Por fim, chegamos a meados de dezembro com a notícia que Tereza Cristina, ministra do MAPA, autorizou pela Portaria Nº 398, o uso de 2.100 km² da floresta de Humaitá para atividades econômicas por meio de edital de concessão que determina a permissão de uso da área por 40 anos. Os 2.100 km² deverão ser divididas em três áreas que serão ofertadas separadamente.

Na prática, o que se observa, também no que diz respeito a questão ambiental, é um total descompromisso com os principais alicerces da atividade estatal perante o tema, ou seja, além de promover políticas de sucateamento em diversas áreas, levar o caos econômico para o povo operário, adotar políticas de privatizações de setores fundamentais para a soberania nacional, Jair Bolsonaro e seus asseclas agora impulsionam uma atividade de entrega de vastas extensões de terras do território nacional para a iniciativa privada. Nesse sentido, o mantra não oficial de todo neoliberal se mostra verdadeiro: “privatizar os lucros às custas do que é do povo e socializar todo o prejuízo”.

Bolsonaro, como um péssimo gestor que evidentemente é, político cascudo e testa de ferro do imperialismo, não tem direito ao engano, portanto sempre se mostra sendo o que é: entreguista inveterado, inimigo do povo operário, defensor do agronegócio e dos latifundiários, além de hostil a tudo que é brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas