Latifundiário no INCRA
Novo presidente do Instituto de Colonização e Reforma Agrária é representante da UDR e filho de ex-governador do RN pela Arena
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ge
Novo presidente do INCRA em reunião de ruralistas (Fonte: Senar / Divulgação / CP) |

O governo ilegítimo de Bolsonaro definiu o novo presidente do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), na quarta-feira, 16 de setembro. Dessa forma, consolida mais um passo em sua política. Isso porque o nomeado Geraldo José da Câmara Ferreira de Melo Filho é dono de grande parte das terras improdutivas do Rio Grande do Norte. Por exemplo, o economista é dono de fazendas de gado e herdeiro de uma das maiores fortunas do estado.

A família do novo presidente, inclusive, é cheia de casos escandalosos de diversos crimes. O irmão e sobrinho foram presos em 2017 devido ao pagamento de propinas a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Natal. Da mesma forma, sua mãe, ex-prefeita de Ceará-Mirim (RN), foi condenada a pagar R$76 mil por improbidade administrativa.

Além disso, seu pai foi ex-governador do estado entre 79 e 83, 87 e 91, e senador entre 95 à 2003. Os partidos pelos quais foi eleito foram os mais direitistas possíveis. Começou no partido da ditadura, a Arena e seu sucessor, PDS. Após esse momento foi se reciclar no centrão do PMDB e ao exercer o cargo de senador estava no liberalíssimo PSDB. Essas escolhas da família de Geraldo só comprovam a origem burguesa de que vem o novo presidente do INCRA.

Tudo isso aliado a presença de 13 acampamentos do MST em suas terras improdutivas, frutos das dívidas da má gestão de usinas de açúcar que faliram. Nesse caso, Geraldo é o maior dificultador do direcionamento dessas terras à reforma agrária. Mais que isso, é um representante da União (anti)Democrática Ruralista. A UDR é uma reunião de latifundiários que defendem o extermínio de indígenas, agricultores e populações quilombolas.

É que a política bolsonarista se aprofunda cada dia mais em uma proposta de destruição das organizações dos trabalhadores, através de uma política antipovo. É a proposta de defesa do latifundiário, do rentista e dos interesses imperialistas, que, ao custo de sangue e suor dos explorados, enriquece uma elite política nacional e, ainda mais, a burguesia internacional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas