Bolsonarista infiltrada como aluna intimida professora com apoio do presidente ilegítimo

tamires

O presidente ilegítimo Bolsonaro postou em sua conta do Twitter um vídeo de uma suposta aluna de um cursinho.

Trata-se de uma armação, uma vez que a suposta aluna trata-se de Tamires de Paula que se autodenomina em sua conta no facebook como: -Ativista politicamente incorreta, Cofundadora da Direita Itapeva e Secretaria geral do PSL Itapeva.

Conta do facebook da suposta aluna

Claramente movida a soldo, a integrante da juventude bolsonarista, se utilizou do celular para produzir um vídeo repleto de ameaças contra uma professora que falou mal do astrólogo, Olavo de Carvalho.  O vídeo de menos de dois minutos, retrata apenas as ameaças dela contra a professora. O vídeo foi rapidamente postado na conta do twitter de Bolsonaro.

A “pobre adolescente” que se revoltou contra a doutrinação, logo se demonstrou exultante pela automática repostagem por parte do presidente e vem se fazer de vítima, aproveitando da promoção automática provocada pela atenção dada ao vídeo pelo presidente ilegítimo.

Está escancarada a atuação direta do presidente para perseguir os professores ilegalmente por meio de alunos contratados e que são promovidos dentro do partido a cada denúncia, a cada professor demitido, assediando e constrangendo com base em projetos de leis de outras criaturas que se promoveram com o mesmo repertório, onde constam Bia Kicis e Campagnollo.

A “aluna”, do PSL e a família Bolsonaro

Enquanto a imprensa da esquerda pequeno burguesa fica preocupada em demonstrar sua indignação, sem ir além das informações ambíguas apresentadas pela imprensa golpista, se torna uma tarefa impossível para uma professora de cursinho, que depois da reforma trabalhista assume características de autônoma, conseguir se defender de ameaças e constrangimentos ilegais por parte do presidente da república.

Quando um agente contratado do fascismo tentar humilhar um professor em pleno ofício, esse deve ser impedido diretamente pelo professor, assim como pelos alunos, pelo corpo docente e pela direção. É inaceitável ver um presidente ilegítimo se utilizar de agente infiltrado para produzir vídeos armados para se autopromover e ajudar a demissão de uma trabalhadora.

A defesa da liberdade de cátedra é tarefa de todo o proletariado, a afirmação fascista da defesa da “escola sem partido” significa claramente “escola com um partido” e “escola com fascismo”. A cada atuação histérica por parte de infiltrados a reação deve ser à altura, ao tentar se promover prejudicando o professor e mesmo levando à sua demissão, tais agentes da reação devem ser imediatamente expulsas da sala de aula.