Queda aumenta a crise mundial
Não se via tal queda desde 2017, quando Temer foi acusado pelo empresário Joesley Batista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
queda bolsa (1)
Fonte: Ministro do Investimento |

Da redação – A Bolsa brasileira teve uma queda impressionante de mais de 20% nesta segunda-feira (9), levando a suspensão das negociações durante 30 minutos por volta das 10h30. Após despencar de um barranco imenso, a interrupção, feita pelo mecanismo automático chamado de “circuit breaker” (acionado quando há uma queda de mais de 10%), voltou a operar em forte queda e chegou a cair mais de 10% novamente.

Algo tão impressionante assim não acontecia desde maio de 2017, quando Michel Temer foi acusado pelo empresário Joesley Batista de integrar um esquema de corrupção.

Para uma nova interrupção é preciso uma queda de mais de 15%, e, por volta das 16h20, o Ibovespa, principal índice da Bolsa, caiu 12,19%, a 86.053,80 pontos. 

As ações da Petrobras lideravam as perdas, com um tombo gigantesco de mais de 30%. O dólar comercial avançou 2,36%, a R$ 4,744 na venda.

As bolsas da Europa também registraram quedas expressivas nesta segunda, diante da “guerra de preços” no mercado petróleo entre China e Arábia Saudita. O índice pan-europeu Stoxx 600 entrou em bear market e fechou em queda de 7,44%, em 339,50 pontos. O índice chegou a bater mínima de 336.54 pontos. 

As ações da XP também operam em queda acentuada, acompanhando o forte estresse nos mercados globais, em função da disseminação do coronavírus e da “guerra do petróleo” entre Arábia Saudita e Rússia.

Além da guerra comercial entre os países grandes produtores de petróleo, há o avanço das mortes por coronavírus, em meio à dificuldade dos países europeus em conter a propagação da doença.

Sabemos que neste fim de semana, a Arábia Saudita decidiu aumentar a produção de petróleo e dar descontos aos compradores, em retaliação à Rússia que se negou a fazer um acordo com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) para ampliar os cortes de produção e suportar os preços, em meio aos impactos do coronavírus.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas