Abaixo o fascismo
O Brasil foi mais que um mero capacho da política imperialista, mas sócio ativo do golpe de Estado na Bolívia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
sojeiros
"Caravana da integração Brasil-Bolívia" - fonte: governo do Mato Grosso |

O berço da extrema-direita boliviana e a região mais rica da Bolívia,  Santa Cruz de La Siera, conta com a presença marcante de latifundiários brasileiros que expandiram seus negócios, principalmente de soja, para aquele país.

Não é de hoje a presença de propretários de terra brasileiros na Bolívia. Cerca de 35%, 2,4 milhões de toneladas, da produção de soja na região é controlada por estrangeiros, com presença marcante na  Associação Nacional dos Produtores de Oleaginosas e Trigo (Anapo), a principal entidade que defende os interesses dos ruralistas na Bolívia.

A Anapo participou ativamente da campanha contra o governo Evo Morales contra a política de controle de alimentos, uma das prinicipais políticas sociais do governo nacionalista, e da campanha de autonomia dos departamentos (estados) bolivianos, a fim de impedir que o processo constituinte de 2007 avançasse na expropriação dos  latifúndios da região em favor da reforma agrária.

As relações entre os latifúndios da região de Santa Cruz e a extrema direita são anteriores às explosões sociais  dos primeiros anos do século que levaram ao governo nacionalista de Evo Morales. A associação dos sojeiros teve participação ativa no financiamento e apoio ao Comitê Cívico de Santa Cruz, movimento fascista, controlado pelo empresário fundamentalista Luis Fernando Camacho, e repsonsável pelo massacre da população civil pelos bandos fascistas. 

A presença  de latifundiários brasileiros na organização da extrema-direita e o papel ativo cumprido pelo governo Bolsonaro na orquestração prática do golpe confirmado pelo próprio Camacho, dão conta que o Brasil foi mais do que um mero capacho do governo norte-americano, um sócio menor da política do imperialismo para a América Latina, que teve um papel fundamental na desestabilização do governo Evo Morales.

O caráter abertamente golpista da política dos latifundiários, ainda traz à tona um aspecto do significado da política de recuo diante da direita. A tentativa de estabelecer acordos, apenas fortalece a própria direita, como foi a política do governo Evo Morales com relação aos latifundiários, que não foram expropriados e ainda obtiveram várias concessões para exportação da soja por fora da política de alimentos do governo nacionalista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas