Fantoche do imperialismo
Essa é mais uma medida que comprova que o golpe na Bolívia foi promovido pelo imperialismo para destruir completamente a soberania do país sul-americano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lapaz Bolivia 20 11 2019 - A auto proclamada presidente da Bolivia Jeanine Añez enviou ao congresso Boliviano um projeto de lei para convocar eleições gerais no país foto Zaconeta Caballero Reinaldo
Jeanine Añez, presidenta golpista da Bolívia. Foto: Zaconeta Caballero Reinaldo |
La Paz, 12 dez (Prensa Latina) A eliminação do requisito de vistos para entrar na Bolívia para estadunidenses e israelitas agrega às medidas de desmantelar as decisões do governo de Evo Morales, empreendido pelo regime de Jeanine Áñez.
O decreto correspondente foi emitido por um governo que insiste em ser chamado de provisório e que, segundo a Constituição, tem como única missão convocar as eleições, cuja data permanece indefinida, depois de mais de um mês de vigência, segundo advertem seus críticos.

‘Temos a necessidade de nos abrir ao mundo e isso não significa perder nossa essência, nossa cultura, muito menos nossa identidade. A Bolívia precisa de abertura comercial para aumentar o fluxo do turismo e dos investimentos estrangeiros’, disse Áñez numa tentativa de justificar o decreto e engrandeceu os Estados Unidos e Israel.

A norma anula decisões soberanas que, no caso dos Estados Unidos, significavam aplicar estritamente o princípio de reciprocidade, pois Washington exige visto para a entrada de bolivianos em seu território.

A medida demonstra a extrema afinidade do regime golpista com os Estados Unidos, expressa no fato incomum de que, antes de que este formalizasse o reconhecimento de Áñez, esta já se tinha apressado a nomear ao velho político conservador Walter Serrate como embaixador em Washington.

O governo de Morales declarou em setembro de 2008, ‘sem medo ao império’, pessoa não grata ao embaixador de Estados Unidos aqui, Philip Goldberg, por intromissão nos assuntos internos bolivianos, como alentava a um violento movimento opositor separatista.

‘Não queremos pessoas separatistas nem divisionistas nem que conspire contra a unidade; não queremos pessoas que atentem contra a democracia’, disse o então mandatário indígena e desde então as relações bilaterais se mantiveram no nível de encarregados de negócios.

A ruptura de relações com Israel ocorreu em 2009 devido os atos de genocídio e crimes de lesa humanidade cometidos pelo Estado sionista em território de Gaza, onde as tropas israelitas mataram mais de mil palestinos, em sua grande maioria civis não combatentes, incluindo crianças.

O governo do Movimento ao Socialismo (MAS) impôs a obrigação de visto aos visitantes israelitas em 2015, quando Morales declarou ‘Estado terrorista’ a esse país, depois de novas agressões à população civil palestina, objeto de repúdio mundial.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas