Mais um golpe no continente
Assim como na Venezuela, direita golpista não aceita resultado das eleições e junto com o imperialismo iniciam campanha para dar um golpe de estado na Bolívia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2019-10-24t123052z_1181455876_rc11daec9a00_rtrmadp_3_bolivia-election
Evo Morales assume seu quarto mandato. Foto: REUTERS/David Mercado |

Assim como o governo venezuelano, comandado no início do século por Hugo Chaves e agora por Maduro, o governo nacionalista boliviano também nasce de uma gigantesca mobilização popular que tomou conta do continente latino-americano em resposta aos ataques neoliberais promovidos pelo imperialismo e seus governos subservientes.

Dessa forma, sobe na Bolívia Evo Morales, liderança do movimento indígena, peça fundamental nas mobilizações das camadas populares no países e representação de um dos setores mais oprimidos em toda história continental. Graças a isso, o governo nacionalista boliviano fortaleceu-se e resistiu durante uma década contra as investidas da direita imperialista e da campanha internacional que passou a atingir países como Venezuela.

No entanto, até então a Bolívia conseguia se manter levemente fora da linha de foco imperialista. Com um governo relativamente estável e sem nenhuma grande tentativa de golpe, como ocorreu em outros países, o governo de Morales conseguiu de forma conciliadora segurar por um breve momento a tendência assassina da burguesia.

Contudo, como era de se esperar, assim como no Brasil, Venezuela, etc, isso só serviu para adiar o confronto para as próximas eleições, onde a burguesia nacional e o imperialismo já não estariam mais dispostos a manter um governo de tipo nacionalista como de Evo Morales, e tentariam a todo custo assumir o poder e enfim promover a política de massacre da população pobre e destruição da economia nacional, entregando tudo ao imperialismo.

Dessa forma, estas eleições bolivianas tornaram-se um ponto de concentração de toda crise política e social que estava prestes a explodir. A burguesia iniciou sua típica campanha golpistas desde o início, junto a organismos imperialistas internacionais, como a OEA, declarando que a eleição em progresso feria o que eles chamam de “democracia”. E quando Evo foi finalmente reeleito para seu quarto mandato consecutivo, refletindo a vontade das camadas populares em avançar contra a direita, a burguesia passou a declarar fraudulentas toda a eleição, e exigir que o imperialismo “averiguasse” se realmente houve fraude.

Assim como denúncia Morales, esta é uma campanha golpista do imperialismo que visa derrubar um dos últimos governos nacionalistas remanescentes após a onda de golpes de estado que assolou todo continente latino-americano. O processo encontrado na Bolívia é muito semelhante ao venezuelano, denotando novamente a política geral do imperialismo.

Durante toda essa semana, dezenas de milhares saíram as ruas em defesa do governo Evo Morales e contra os manifestantes financiados pelo imperialismo que buscaram tumultuar o país na tentativa de criar uma situação em que a burguesia possa definitivamente intervir para o golpe.

Assim inicia-se mais um golpe em marcha na América-Latina, sob as ordens do imperialismo que vê todos os países em estado de sublevação contra seu domínio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas