O braço repressivo do golpe
Polícia Militar e Exército: o braço repressivo a serviço de um regime político e econômico de terra arrazada.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
policias
Políca boliviana |

O ex-presidente Evo Morales divulgou um documento que revela o que os policiais aspiravam fazer.

Em um pouco mais do que um mês antes de sua renúncia no dia 10 de novembro de 2019, Evo Morales, presidente boliviano, veio à público para denunciar um motim dentro da polícia militar em algumas cidades como Cochabamba, Sucre e Santa Cruz, e o prelúdio de um golpe de Estado.

É que a oposição boliviana, eleitores da direita e contrários a Evo Morales, exigiam a anulação das votações que o teriam reeleito presidente, sob a ameaça de que os protestos continuariam caso suas reivindicações não fossem atendida.

Evo estava certo e a situação se acirrou e o golpe se confirmou levando-o ao exílio no México.

Na segunda-feira (26) o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, tornou a público para revelar um documento oficial em que o comandante da polícia aparece exigindo ao governo Jeanine Añez, o cumprimento do compromisso assumido com a corporação de aumento salarial pelo motim da polícia em 8 de novembro, uma ação que, como se viu, foi o estopim e o caminho para a edificação do golpe de estado na Bolívia.

A publicação se deu em um blog da Telesur, cujo link é: https://www.telesurenglish.net/news/Bolivia-Police-Demand-to-be-Paid-for-Their-Support-for-Coup-20191126-0001.html?fbclid=IwAR3Bafi291Y8j1xaUQZWvZcAs86LfvDlrIjsxrKYqcD3L2m62S4utrNJEjM.

Não é demais frisar que TELESUR é um veículo de imprensa que conta também com um canal de televisão. A Telesur é uma iniciativa do ex-presidente Hugo Chávez, da Venezuela, junto aos governos de Cuba, Argentina e Bolívia, e foi criada como o objetivo de dar uma alternativa comunicacional para toda a América Latina e Caribe, em resposta à mídia imperialista como a CNN e outras emissoras, que transmitem em espanhol e compromissadas com a ideologia burguesa.

A notícia não conta como se deu o vazamento do documento, mas que é uma cópia de uma nota oficial enviada pelo coronel Rodolfo Montero ao ministro do Interior Arturo Murillo, em 25 de novembro passado. Segundo conta, a nota refere-se à “proposta de elevação de salário para policiais” que aspiram a receber salários e benefícios equivalentes aos que os militares têm direito.

Além disso, revela ter o selo oficial da polícia e a assinatura do oficial que liderou o motim, cujo estopim conduziu ao golpe de Estado e a renúncia de Evo.

Não que isso seja uma surpresa pra nós, mas é sempre libertador quando um documento dessa natureza vem a público para confirmar as “teorias de conspiração” da esquerda mais radical, encarada assim pela imprensa golpista, que, quando isso acontece, pinta a realidade como um movimento de revolta. Uma verdadeira desinformação e um total desrespeito ao público que tem que enfrentar uma tal massificação sem ter estrutura para se contrapor e resistir.

Recentemente no Brasil tivemos um importante caso de vazamento protagonizado pelo The Intercept Brasil, com o Glenn Greenwald trazendo a público os áudios da conversa de Moro com Dallagnol, demonstrando a arquitetura de um golpe, que se apropriou da justiça e da polícia federal, em um plano de perseguição política contra o PT e Lula para impor uma política neoliberal. Outros também, como os casos clássicos de Julian Assange e Edward Snowden, foram casos emblemáticos que abalaram essa estrutura de farsa e enganação encobertada pela mídia golpista.

Mas a notícia avança, e lembra, ainda, que, segundo o fórum, Bruce Williamson, o encarregado de negócios dos EUA na Bolívia foi responsável por doar um milhão de dólares a cada chefe militar e 500 mil a cada chefe de polícia.

Nada de novo pelo jeito! Pois, tanto o polícia como o Exército vêm cumprindo a função de sustentar o regime de terra arrasada implementado pelo imperialismo norte americano em todos os países da América do Sul, e uma dura investida para socorrê-lo da crise que o acomete.

Aliás, no caso boliviano fica bem claro que mesmo que a população ganhe nas urnas, a eleição vai fatalmente ser derrubada. Veja que Evo fez todas as concessões à direita concordando com a reivindicação da direita por novas eleições. E mesmo assim o golpe de estado se concretizou. Não interessava nem mesmo outra eleição. Foi mesmo na “mão grande“ a solução do impasse que o imperialismo definiu a questão. Espalhou dinheiro, comprou a polícia que se amotinou, fez uma milícia e derrubou de vez Evo Morales colocando-o no exílio, e meteu a bota na cara da população para impingir-lhe esse regime de morte, arrocho e precarização.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas