Siga o DCO nas redes sociais

Golpe na América Latina
Contra o golpe militar na Bolívia, convocar atos em todo o país
O golpe militar na Bolívia é uma ameaça para todo o continente latino americano. Por isso, é preciso organizar atos contra o golpe continental em todo o Brasil.
bolivia_protestas_golpe_estado_bolivia_evo_morales_reuters.jpg_1718483347 (1) (1)
Golpe na América Latina
Contra o golpe militar na Bolívia, convocar atos em todo o país
O golpe militar na Bolívia é uma ameaça para todo o continente latino americano. Por isso, é preciso organizar atos contra o golpe continental em todo o Brasil.
Repressão aos protestos na Bolívia. Foto: Diário Causa Operária Online.
bolivia_protestas_golpe_estado_bolivia_evo_morales_reuters.jpg_1718483347 (1) (1)
Repressão aos protestos na Bolívia. Foto: Diário Causa Operária Online.

Enquanto a esquerda brasileira sonhava com as eleições, embalada pela vitória do kirchnerismo na Argentina, o golpe militar na Bolívia foi como um balde de água fria. A derrubada de Evo Morales, eleito presidente mais uma vez no primeiro turno das eleições, fez despertar a sonolenta esquerda pequeno-burguesa para a realidade: o imperialismo não está disposto a recuar tão facilmente da sua política de golpes na América Latina e não vai respeitar a vontade popular. Para a direita as eleições só valem se forem fraudadas e ganhas por ela mesma.

Como reação a esta escalada golpista no continente, diversos atos foram convocados pelo país contra o golpe que derrubou Evo. Na segunda-feira realizou-se um ato em Brasília, no consulado da Bolívia. Ainda em Brasília, ontem, após um grupo de milicianos, ligados ao golpista venezuelano Juan Guaidó e ao próprio Bolsonaro invadirem o consulado da Venezuela, a esquerda organizou rapidamente uma contraofensiva, e expulsou a pontapés os direitistas do local. Como de costume, os elementos de extrema-direita foram se esconder por detrás da polícia para que não fossem linchados. 

Panfleto de convocação para o ato em Salvador.

No Rio de Janeiro, o ato foi ontem, às 16 horas da quarta-feira, em frente ao consulado dos Estados Unidos, enquanto que em Salvador, Bahia, o ato ocorre hoje à tarde, também às 16, na Estação da Lapa. Já em São Paulo, a militância está chamando um ato no domingo, a partir das 15 horas, no MASP, mas também ocorreu um ato anteontem, em frente ao Consulado da Bolívia (veja a intervenção do PCO neste ato aqui). Foram atos organizados às pressas, que mostram a ação dos setores mais conscientes, que sabem que o que vemos hoje na Bolívia é um filme que pode muito bem estrear no Brasil dentro em breve. Afinal, como destacou o companheiro Rui Costa Pimenta na última análise na TV 247, este filme boliviano é de produção e direção não só norteamericana mas também brasileira.

É preciso que a esquerda brasileira amplie as mobilizações contra o golpe militar na Bolívia, afinal, não se trata de um caso isolado. Lutar contra o golpe na Bolívia significa se opor à toda ofensiva golpista continental, que ameaça todos os países latino americanos, tais como a Argentina, a Bolívia, a Venezuela, o Chile e o próprio Brasil, com a espada de Dâmocles repousando sobre o pescoço do povo, empunhada pelos militares. Por isso, é fundamental que a esquerda siga os exemplos citados acima e convoque atos em todo o país contra o golpe militar na Bolívia.

Como o Partido que se tornou conhecido como o “partido da luta contra o golpe”, os militantes do PCO e dos Comitês de Luta contra o Golpe convocam toda a militância de esquerda para cerrar fileiras conosco, na linha de frente na luta contra o golpe na Bolívia e em todo o continente. Vamos participar e organizar atos em todo o país contra mais este golpe, que revela por completo a ameaça militar que mais paira sobre todos nós latino-americanos. Fora o imperialismo da América Latina! Abaixo o golpe militar na Bolívia!