Bolívia
A Central Obrera Boliviana (COB) convocou mobilizações e uma greve geral por tempo indeterminado contra as manobras do governo para postergar as eleições
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Marcha-COB-28-de-julio-01
Manifestações de massas contra o governo Añez | Reprodução

A Central Obrera Boliviana (COB), maior organização operária do país, reuniu-se com o Tribunal Superior Eleitoral para discutir a questão da convocação das eleições gerais no país. Segundo o Secretário-Executivo da COB,  Juan Carlos Huarachi, não houve acordo, pois o TSE, dominado pela extrema-direita golpista, propôs que o pleito fosse adiado para o mês de outubro.

Nos últimos dias, a COB encabeçou grandes manifestações na cidade de El Alto, que rechaçavam a postergação das eleições e se posicionavam contra o governo. Em diversos departamentos do país, se verificaram bloqueios de avenidas por organizações camponesas. A COB convocou uma greve geral por tempo indeterminado.

Em novembro de 2019, ocorreu um golpe de Estado contra o presidente Evo Morales (MAS), que acabara de ser reeleito presidente da República. O golpe foi articulado pelo imperialismo, com acusações falsas de fraude eleitoral pela Organização dos Estados Americanos (OEA) e executado pelas Forças Armadas e pela Polícia Nacional, em ações tipicamente fascistas. Há denúncias de que o governo Jair Bolsonaro participou na montagem do golpe.

Os golpistas têm manobrado politicamente para evitar que haja eleições gerais e que o MAS, maior partido político de esquerda do país, retorne ao governo. Mesmo com toda a perseguição política, o MAS está em primeiro lugar em todas as pesquisas eleitorais.

O que está acontecendo na Bolívia demonstra que os golpistas, uma vez que logrem êxito em suas ações, não entregam o poder de maneira democrática.  As mobilizações populares e a greve geral são os únicos meios de tirar os golpistas de extrema-direita do poder.

Antes do golpe de Estado, a Bolívia era considerada o país que mais crescia na América do Sul e avançava nos índices de redução da pobreza.  As políticas públicas eram elementos centrais do governo Evo Morales para amparar a população e reduzir as desigualdades, que sempre foram muito gritantes no país mais pobre da América do Sul.

O golpe modificou radicalmente a situação econômica do país, na medida em que as políticas neoliberais foram sendo implementadas com as bênçãos do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial. Em termos de direitos democráticos, o país experimenta um marcante retrocesso, com perseguições políticas e assassinatos de opositores de esquerda. A política repressiva de Añez tem sido alvo de críticos tanto em âmbito interno quanto no âmbito externo.

Evo Morales foi forçado a fugir para o estrangeiro e denunciou o perigo de assassinato político.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas