Por uma imprensa independente
Esquerda boliviana decide frente aos ataques do golpe militar desenvolver uma imprensa independente no país, um grande passo para o combate ao golpe.
191119011957-01-bolivia-protests-1119-exlarge-169
Imprensa independente, uma necessidade do povo. |

Em resposta a ação da imprensa imperialista, responsável por desinformar o povo e corresponder os interesses da propaganda golpista, a esquerda boliviana decidiu, baseada na experiência sofrida com o golpe militar e a onda de violenta repressão policial defendida pela burguesia, desenvolver sua própria imprensa independente, como forma de garantir ao povo o acesso de fato as informações do que realmente está acontecendo no país.

Fato é, que assim como visto no Brasil, sobretudo em relação a Rede Globo, os jornais burgueses bolivianos demonstram total apoio ao golpe de Estado, em ação sincronizada com a imprensa imperialista que faz propaganda pró regime golpista e busca falsificar informações a respeito do país latino americano, encobrindo a brutal repressão sofrida no pós golpe, o crescente e acentuado número de mortes nas mãos da polícia e do exército, após semanas de grandes enfrentamentos nas ruas de todo país.

Frente a tamanha crise, a resposta de grupos da esquerda mostraram-se a altura dos acontecimentos e com o decorrer das manifestações perceberam a real necessidade da existência de uma imprensa própria, de esquerda, independente dos ditames da burguesia e feita para os trabalhadores. Assim surge a ABR, Agência Bolívia em Resistência, formada por jornalistas e comunicadores bolivianos junto a cooperação de outros que trabalham em países de toda américa latina, principalmente na Argentina.

Esta iniciativa se deu início após o golpe de estado, denunciando os ataques dos militares a população boliviana, a entrega do país ao estrangeiro e a política criminosa adotada pelo regime golpista.

Contando com o apoio de outras imprensas independentes, como a Agência Jornalística de Buenos Aires, a ABR mantem-se a par dos acontecimentos tendo participação ativa nas grandes mobilizações populares do país.

Contudo, devido a grande perseguição política e a repressão generalizada do regime, os mesmos são obrigados a manter uma conduta clandestina em seu próprio país, criando uma redação móvel com base na Bolívia e outra em Buenos Aires, fornecendo informações nas mais diversas redes sociais e plataformas da internet (@AgenciaBoliviaR).

Outro fator de importância nesta ação se da pela criação e edição de boletins informativos, distribuídos nas principais cidades bolivianas, desenvolvidos por ambas as redações em conjunto, e tendo um papel fundamental na entrega de informações diretamente ao povo.

Toda esta campanha denota o avanço na consciência política da própria população boliviana, que agora passa a se organizar de maneira própria, com sua política não mais a reboque dos interesses da burguesia. O desenvolvimento de uma rede de imprensa independente deve ser saudado como um importante avanço na luta contra o regime político.

Relacionadas