Boletim Vermelho
Comitê de Luta Estudantil do DF lança segundo Boletim Vermelho. Segue um dos textos do Boletim, explicando as atividades e defendendo o método militante do call center.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
foto ato
Ato organizado pela coimissão de atos do Comitê de Luta Estudantil, em frente a reitoria da UnB. | Foto: Pilha

O Boletim Vermelho é uma iniciativa dos Comitês de Luta Estudantil. Em nível nacional e regional, são organizados pela AJR como o principal agitador da juventude em torno da campanha do Fora Bolsonaro. Além de evidenciarem as principais questões políticas, levam as ruas as tarefas lançadas para combater a crise, todas em torno da mobilização, em especial, dos jovens e dos estudantes.

O boletim é aberto, todos podem mandar denúncias e matérias a serem para serem cadastradas. Assim, ele é a forma mais acabada da política do comitê, que organiza a própria greve e diversas atividades para travar a luta política. Segue aqui uma matéria sobre as últimas atividades do Comitê com a defesa da principal forma de trabalho utilizada para organizar a greve, as centrais de ligação.

Quem diz que grevista não trabalha, mente. É muito mais difícil combater a direita do que fazer o EAD. O trabalho de luta em torno da greve exige convicção e dedicação para construí-la diretamente. Nas greves do Setor Leste e dos campus do Instituto Federal de Goiás (IFG), os estudantes realizaram uma série de atividades tradicionais da esquerda para avançar com a mobilização.

O movimento começou com dois estudantes mais engajados que buscaram o apoio do Comitê de Luta Estudantil para combater principalmente o ensino à distância. Os companheiros fizeram uma boa discussão política e já listaram as tarefas principais para dar cabo na mobilização, incluindo seu caráter essencial: a luta em torno do Fora Bolsonaro. Dito e feito, logo em seguida já foram organizados grupos de trabalho em torno da convocação de uma reunião mais ampla, já com o intuito de marcar uma assembleia que pautaria a greve.

O principal método utilizado foi a central de ligações. Nela os companheiros se encontravam todos os dias e organizaram todos os contatos que possuíam em planilhas e ligaram de um a um. Em torno do convencimento com a discussão política eles não só convocaram para as reuniões, mas também chamaram todos para participarem da central e compartilharem seus contatos. Nada pode substituir esse método, que assegura uma boa discussão e um panorama real da situação política. Assim foi possível ter uma espécie de exército de trabalho, que garantiu um balanço de quantas pessoas haviam confirmado para a primeira reunião, e ao mesmo tempo um mapeamento da escola.

Outro método utilizado foi a criação de grandes grupos de mobilização pelo Whatsapp, pelos quais foram compartilhados memes e chamados sobre as atividades da greve, além das rede do próprio comitê.

Nas primeiras reuniões o número de alunos já chegava próximo a 40 pessoas, as quais já marcaram a assembléia e se prontificaram para colaborar na convocação. Daí o caminho já estava dado, e todas as assembléias tiveram sucesso e declararam a greve.

Seguiu-se com a participação dos companheiros do comando de greve nas reuniões do comitê, encabeçadas pela Aliança da Juventude Revolucionária (AJR). As centrais agora trabalham para desenvolver a greve em suas instituições e para levar-lá para outras, incluindo outras categorias, como os ecetistas do Distrito Federal e entorno. Todos foram convidados também, assim como você leitor, a se mobilizar em diferentes comissões de trabalho que possibilitam o trabalho da luta estudantil.

A comissão de comunicação se reúne semanalmente para convocar as reuniões e organizar as redes. A comissão de atos, que convoca para os atos do Fora Bolsonaro e mobiliza a participação da juventude neles. A comissão de organização, responsável para levar o trabalho para outras escolas e desenvolver o trabalho com as escolas já mobilizadas. E por fim, a comissão de impressos, a qual junta jovens que escrevem, desenham e diagramam para confeccionar este boletim.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas