Nem a natureza é mais nossa!
Os estados que já se definiram como entreguistas foram: Bahia, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Tocantins.
parque2
Sinalização do parque nacional Aparados da Serra | Foto: Felipe van Deursen
parque2
Sinalização do parque nacional Aparados da Serra | Foto: Felipe van Deursen

O BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), comandado pelos golpistas e entreguistas das riquezas nacionais, está cumprindo mais uma etapa de privatizações ao assinar contratos com seis Estados para a concessão de vinte e seis parques naturais aos capitalistas. 

Os Estados que já  se definiram enquanto entreguistas, foram: Bahia, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Tocantins. Algumas das unidades de conservação administradas pelo ICMBio (Instituto Chico Mendes de Biodiversidade) que estão nos destaques são os parques como Jalapão (TO), Dois Irmãos (PE), Ibitipoca e Rio Doce (ambos em MG). E lembrando também, que alguns destes estados são comandados por governadores ditos de esquerda, mas que, não demoraram nada para aceitar como bons serviçais do imperialismo, a entrega do patrimônio público aos tubarões. 

O objetivo cínico do governo, seria, como sempre, para a melhora da preservação ambiental e focar na exploração do turismo sustentável.

Talvez como FHC fez com a Vale do Rio Doce, que, há dois anos matou centenas de pessoas em Brumadinho, assassinando um rio, a fauna e a flora da região toda e deixando todos os culpados saírem ilesos, sem amparo às famílias?

Após uma série de concessões realizadas pelo Ministério do Meio Ambiente dos parques nacionais Aparados da Serra (RS) e Serra Geral (PR) neste mês, os especuladores do mercado estão como abutres sobre os restantes. O grupo Construção venceu o leilão de concessão dos parques na divisa entre RS e SC, nesta segunda-feira (11). O grupo também é o responsável pela administração do Parque Ibirapuera, em São Paulo, concedido à iniciativa privada em 2019. A expectativa é iniciar os leilões no final deste ano e o restante, ao longo de 2022.

Os compradores terão o direito a escolher como pretendem ter receitas dos parques estaduais, seja com bilheteria, arvorismo e serviços de hotelaria. Por outro lado, a fiscalização por crimes e infrações ambientais ainda é de responsabilidade dos órgãos públicos federal e estaduais. Sobre este ponto, que é óbvio o desdobramento, e mesmo com a criação de uma Secretaria de Biodiversidade, com objetivos semelhantes aos do ICMBio,  o que preocupa é a tendência de favorecer somente as empresas concessionárias, sem a mesma preocupação com a conservação da natureza, o fortalecimento do órgão gestor, no caso o ICMBio, e principalmente as comunidades locais e tradicionais. Por exemplo, no caso dos Parques Nacionais Aparados da Serra e Serra Geral, temos pelo menos uma comunidade quilombola à qual deveriam ser dadas as condições de optar pelo aproveitamento do turismo de base comunitária, ainda que vinculado à concessão de serviços. Resumindo, os capitalistas, tal como os ruralistas já vem fazendo, tendem a expulsar estes povos, aniquilando sua cultura, e, porque não, fisicamente. 

A equipe econômica do ministro fascista, Paulo Guedes, junto ao Ministério do Meio Ambiente, pretendem estruturar uma série de concessões até o início de dezembro. 

Porém, é preciso lembrar que o artigo 225 da Constituição Federal diz: “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações“. Sendo assim, estas ações são contra os interesses do povo, que será cobrado para utilizar da própria natureza de seu país. 

Enquanto o governo de Jair Bolsonaro cedeu trilhões aos industriais e banqueiros no início da crise da pandemia do novo coronavírus, agora afirmam que não tem dinheiro e precisam de novas estratégias para encher os cofres públicos. Porém, o Banco do Brasil está para ser privatizado, demitindo cinco mil funcionários, logo, quem está por trás de toda essa entrega são os banqueiros estrangeiros e os imperialistas mundiais.

É essa a verdadeira face do neoliberalismo: tirar sangue e suor das pessoas e acabar com a terra enquanto propriedade pública! Nem a natureza é mais nossa!

Relacionadas
Send this to a friend