Genocídio
Os sauditas mantém um forte bloqueio marítimo, aéreo e terrestre contra o Iêmen desde março de 2015, quando a campanha de agressão de Riad e seus aliados começou contra o país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
07563174_xl (1)
Criança iemenita nos escombros de um dos vários bombardeios contra seu país. | Foto: HispanTV/Reprodução

O serviço diplomático iemenita através de seu representante permanente na Organização das Nações Unidas (ONU) veio a público manifestar mais uma vez a indignação do povo de seu país contra o genocídio ao qual estão sendo condenados pela coalização imperialista internacional liderada pela Arábia Saudita com a anuência do Reino Unido.

O diplomata Umm Kulthum Ali Baalawi denunciou que o reino da Arábia Saudita comete um genocídio descontrolado no Iêmen, por meio da imposição de um bloqueio econômico com consequências piores do que os crimes cometidos pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

O representante do Iêmen denunciou na terça-feira que a campanha de agressão e bloqueio da Arábia Saudita e seus aliados visam ao “genocídio do povo iemenita, diante do qual não pode haver silêncio”, cobrou fazendo referencia à passividade da própria ONU. .

“Essa medida é pior do que os nazistas cometeram na Segunda Guerra Mundial”, disse a autoridade iemenita.

A Arábia Saudita apreendeu 22 navios que transportavam combustíveis e alimentos para o Iêmen. Os sauditas mantém um forte bloqueio marítimo, aéreo e terrestre contra o Iêmen desde março de 2015, quando a campanha de agressão de Riad e seus aliados começou contra o país. O bloqueio e o incessante bombardeio da ‘coalizão’ levaram o Iêmen a uma grave crise humanitária, agravada recentemente pela disseminação no país da pandemia do novo coronavírus.

As autoridades iemenitas  criticam a ONU pela sua complacência mesmo ciente do impacto do bloqueio sobre a alimentação dos civis e os serviços públicos de saúde no país. De fato, até agora, a ONU não fez nada prático para parar o conflito que castiga toda a nação iemenita, principalmente as crianças.

Ali Baalawi disse que a entidade internacional não cumpre seus deveres em relação ao Iêmen e questionou o papel mediador do enviado especial das Nações Unidas para o Iêmen, Martin Griffiths , no conflito iemenita. “Griffiths funciona como enviado do Reino Unido”, denunciou.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou em fevereiro de 2018 a nomeação de Martin Griffiths do Reino Unido como seu enviado especial para o Iêmen. Griffiths sucedeu a Ismail Ould Cheikh Ahmed, da Mauritânia, no cargo.

No último caso de preconceito denunciado pelos iemenitas, as Nações Unidas decidiram em 15 de junho remover a chamada coalizão da Arábia Saudita de sua lista negra de países em guerra que matam crianças e violam direitos humanos. O Iêmen  condenou esse procedimento pela ONU, chamando-o de “crime indelével”  e apontou que a referida decisão destaca o caos profundo que reina no organismo.

Os iemenitas consideram Griffiths um “cúmplice” e que ele dá cobertura aos crimes de Riad e seus aliados, que se recusaram a condenar o assassinato de civis iemenitas como resultado dos atentados e do bloqueio da coalizão de agressores desde março de 2015.

O papel da Marinha Britânica no pior desastre humanitário do mundo surgiu depois que o site Daily Maverick encontrou evidências extensas da cumplicidade da Marinha Real no bloqueio marítimo da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen.

Como o site revelou a cooperação da Marinha Britânica com a Marinha da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Bahrein começaram em setembro de 2015 – cinco meses após o início de seus ataques ao Iêmen – incentivando-os as técnicas de treinamento necessárias para o cerco dos portos do Iêmen.

A Marinha Britânica convidou um oficial da Marinha dos Emirados para o Campo de Treinamento de Collingwood, perto de Portsmouth, no sul do Reino Unido, para receber um curso de quatro semanas, instruindo-o em habilidades que poderiam ser usadas para bloquear os portos do Iêmen, observa ele. o relatório.

Em março de 2016 – um ano após o início da campanha de guerra – a fonte continua, oficiais da Marinha britânica ministraram um curso de uma semana para treinar 15 marinheiros sauditas. Uma prática repetida para o pessoal dos Emirados e da Arábia Saudita de setembro de 2016 a março de 2017, acrescenta.

As sessões “educacionais” incluíram ensinamentos sobre técnicas de como realizar atividades de contrabando e embarque em navios mercantes, para que os alunos mais vantajosos pudessem pôr em prática essas manobras na ‘Zona Econômica Exclusiva’ – termo que se refere à área da superfície do mar que se estende a 300 quilômetros da costa de qualquer país que contenha seus direitos e recursos de pesca – das águas costeiras do Iêmen.

Fica nítido, portanto, que entidades internacionais como a ONU apenas servem aos interesses do imperialismo internacional e o Iêmen faz bem em denunciar a incompetência da organização nos diálogos políticos e humanitários necessários para cessar o crime saudita na região.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas