Bloqueio judicial da Dolly força demissão de 700 funcionários

Polícia prende dono da marca de refrigerantes Dolly

Da redação – O dono da empresa fabricante dos refrigerantes Dolly, Laerte Codonho, preso em maio por ação conjunta do Ministério Público do Estado de São Paulo, procuradoria e polícia, acusado de sonegar R$ 4 bilhões em impostos, fechou sua fábrica de Tatuí (SP) e demitiu todos os 700 empregados após ter seus bens bloqueados pela justiça. Segundo o empresário, o bloqueio das contas inviabilizou o negócio.

O que chama a atenção é o valor supostamente devido: R$ 4 bi. O empresário alega ser impossível uma dívida desse montante em função do faturamento da empresa.

Codonho ficou conhecido no mês passado, quando, ao ser preso pela polícia, acusado de sonegação e lavagem de dinheiro, chegou à delegacia segurando um cartaz com a denúncia: “preso pela Coca-Cola”.