Coronavírus
Os Estados Unidos, em mais um capítulo dos ataques imperialistas contra a Venezuela, tentam impedir que o país de Nicolás Maduro receba medicamentos para enfrentar o coronavírus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Trump COVID Venezuela
Pronunciamento de Trump na Casa Branca | Imagem: Drew Angerer/Getty Images

Os Estados Unidos, em mais um capítulo dos ataques imperialistas contra a Venezuela, tentam impedir que o país de Nicolás Maduro receba medicamentos necessários para enfrentar o coronavírus, principalmente a vacina.

O presidente da Venezuela afirmou que sua equipe está articulando com Rússia, China e Índia os detalhes sobre a aquisição de vacinas contra o novo coronavírus e acrescentou que seu governo estaria negociando a compra de vacinas e medicamentos para combater o coronavírus “em segredo”, para evitar perseguições dos Estados Unidos.

Denúncias a respeito já haviam sido feita em abril deste ano pelo representante adjunto da Rússia na ONU, que afirmou que os estadunidenses estão se aproveitando do período da pandemia para aumentar a pressão política e militar contra a Venezuela. Política que também é aplicada contra Irã e Cuba.

As autoridades venezuelanas denunciam Washington por aplicar sanções econômicas contra seu país, afetando a situação dos infectados pelo covid-19 e dificultando a aquisição de insumos e medicamentos. 

“O governo dos Estados Unidos e Elliott Abrams (representante do governo Donald Trump para questões da crise venezuelana), nos perseguem até nisso. Vamos comprar remédios contra o coronavírus e eles nos perseguem. Chamam a empresa e dizem: não vendam a vacina para a Venezuela”, explicou Maduro.

Apesar da atual política de sanções e pressão contra Caracas, Abrams pediu aos países que adotem medidas ainda mais duras contra Maduro, entre elas restrições de viagem. Em audiência no Senado dos EUA, o enviado especial do país para a Venezuela, Elliot Abrams, afirmou que a Casa Branca tem somado esforços para conseguir o afastamento definitivo de Maduro do poder.

“Necessitamos de mais sanções, sanções pessoais, do tipo que o Canadá, a União Europeia e os países do Tratado do Rio fizeram”, disse o diplomata.

Além dos EUA, um outro país imperialista vem se aproveitando da crise do coronavirus para atacar Maduro e os Venezuelanos. O Reino Unido apreendeu US$ (R$5,44 bilhões) de ouro venezuelano armazenado no Banco da Inglaterra. A corte britânica se recusa a dar ao governo venezuelano acesso a 30 toneladas de ouro retidas pelo banco. O tribunal reconhece o fantoche do imperialismo americano, Juan Guaidó, como o presidente da Venezuela.

O dinheiro seria utilizado para o combate ao coronavírus no país e, assim como as dificuldades que enfrentam nas sanções sobre o acesso do governo de Maduro aos medicamentos, faz parte da política imperialista de ataques ao povo venezuelano. 

É preciso denunciar os ataques de Trump e de todos imperialistas às nações subdesenvolvidas, principalmente os ataques contra a Venezuela, que ocupa lugar estratégicos nos planos econômicos dos EUA na região.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas