Acumulação imperialista
A riqueza dos bilionários brasileiros cresceu 38% durante a pandemia, enquanto metade da população vive com no máximo R$ 554,00 por mês.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
systemuploadsnews67254dbfdf25cd15e42-700x460xfit-12fa1 (1)
Rio de Janeiro e o contraste entre a periferia e os condomínios de luxo | Foto: VLADIMIR PLATONOW/AGÊNCIA BRASIL

A riqueza dos bilionários brasileiros cresceu 38% durante a pandemia, enquanto metade da população viver com no máximo R$ 554,00 por mês. Enquanto 105 milhões de pessoas sobrevivem com uma renda somada do auxílio emergencial de no máximo R$ 673,00 a  fortuna somada dos 10 maiores bilionários brasileiro chega R$ 496,92 bilhões.

Durante a pandemia o mesmo governo que reduziu o valor do auxílio emergencial de R$ 600,00 para R$ 300,00, e dificultou o acesso ao crédito para pequenas e médias empresas entregou ao grandes bancos a soma de R$ 1,2 trilhões para aumentar a liquidez destes. Os capitalistas especuladores, que no início da pandemia tiveram uma ligeira perda, logo se recuperaram, utilizando a quantia disponibilizada pelo governo para mais especulação em vez de investimento no setor produtivo.

A realidade é que mesmo com uma queda bruta do Produto Interno Bruto (PIB) de 11,4% no segundo semestre de 2020, os bancos se utilizaram-se da compra de títulos da dívida pública para recuperar o preço de seus ativos gerando lucro novamente aos investidores. Entretanto esse cenário tem um custo alto, que foi a queda de 11 milhões de postos de trabalho neste ano, isso pode facilmente leva o desemprego a 20% no retorno das atividades econômicas.

O setor produtivo industrial no Brasil sofreu grandes ataques com a Operação Lava Jato, e as perdas neste setor só se acumularam durante a crise sanitária da pandemia. Havendo basicamente desenvolvimento apenas do setor varejista neste período, com a consolidação dos grandes através da acumulação de capital, aumento da exploração do trabalho e deslocamento dos pequenos e médios concorrentes

Essa acumulação imperialista ocasiona um verdadeiro abismo abissal de desigualdade no país. O bilionários no mundo representam apenas 0,00003% da população no Brasil esse bilionários cuja riqueza somava em 2019 US$ 127,1 bilhões em 2020 passaram para US$ 176,1 bilhões uma alta de 38%. Enquanto que os 10% mais pobres da população brasileira sobrevivem uma renda de R$ 11,00 por mês que somado do auxílio emergencial chegar a R$ 239,00 por mês.

A segunda faixa dos mais pobres estão mais 21 milhões de pessoas que sobrevivem com uma renda mensal de R$ 146,00, somando o auxílio emergencial ficar em R$ 353,00 por mês. No geral metade da população brasileira sobrevive com R$ 554 por mês que somado do benefício do auxílio emergencial chegar a R$ 673,00.

As condições de vida dos trabalhadores estão sendo dilapidadas diariamente, enquanto a parte mais rica da burguesia, os capitalistas monopolistas têm seus lucros espetaculares garantidos sacrificando toda a economia do país. O próprio 2016 e sua continuidade no Brasil são uma manifestação política do imperialismo, o capitalismo monopolistas, e esse golpe estado como demonstram os números está para garantir os lucros desses capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas