Estados Unidos
Resultado foi anunciado neste domingo; vitória apertada, contudo, mostra fragilidade do regime
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
biden
Joe Biden, presidente eleito de maneira fraudulenta nos EUA | Foto: Kevin Lamarque/Reuters

Na tarde de ontem (7), chegou, enfim, a notícia que já estava sendo preparada durante meses pela imprensa capitalista: Joe Biden, representante da ala direita do Partido Democrata, obteve a maioria dos delegados nas eleições norte-americanas. Note-se, contudo, que o resultado expresso pela imprensa não é suficiente para garantir integralmente Biden como o sucessor de Donald Trump. A crise do regime é cada vez mais profunda e o presidente norte-americano prometeu ir até a Suprema Corte para contestar a contagem dos votos. Em certa medida, o resultado permanece em aberto.

As eleições deste ano foram marcadas por uma sucessão de manipulações por parte do imperialismo para impedir a reeleição de Trump. Muito antes da disputa propriamente dita, os monopólios que controlam as redes sociais já vinham fechando o cerco contra o presidente, advertindo-o por suas publicações e até mesmo censurado suas páginas. A manipulação chegou a tal ponto que o Twitter passou a recomendar seus usuários que não confiassem nas informações divulgadas por Donald Trump.

As perseguições policiais e jurídicas também ajudaram a preparar a ofensiva do imperialismo contra a candidatura de Trump. Certamente, o ato que melhor simboliza a manipulação das instituições contra a candidatura de Trump é a prisão de Steve Bannon, ex-assessor do presidente, que foi conduzido à delegacia nas vésperas das eleições. Não bastasse todas as perseguições, o imperialismo também lançou mão de uma operação, que talvez seja a mais importante de todas: a chantagem junto à esquerda e aos setores oprimidos para votar em Joe Biden contra o fascismo. Uma chantagem que se baseia apenas na histeria da pequena-burguesia, mas que não tem lastro algum na realidade.

O fato é que nem Joe Biden, nem o Partido Democrata são ferramentas úteis para o combate à extrema-direita. Mais do que isso: a candidatura de Biden representa justamente aquele que é o principal motor do fascismo mundial. Joe Biden é apoiado pela esmagadora maioria dos financistas de Wall Street, pelos bancos, pela indústria armamentista e pelos setores que comandavam o governo Bush. Biden nunca defendeu a mobilização recente dos trabalhadores norte-americanos contra o regime político e contra a Polícia. Na verdade, toda sua trajetória aponta que tanto ele, quanto sua vice, Kamala Harris, são inimigos dos trabalhadores e dos explorados. Biden esteve ao lado de George Bush na formulação do Ato Patriótico, que cassou os direitos políticos dos próprios norte-americanos e que aumentou a intervenção do imperialismo nos demais países, e também na aprovação de leis que levaram ao encarceramento de centenas de milhares de pessoas, a maioria delas negras.

Biden e Harris, inclusive, vêm deixando bastante claro que a sua política é apenas a continuidade da tradição golpista do imperialismo. Isto é, a mesma tradição golpista, militarista, sanguinária e genocida que estabeleceu ditaduras como a de Augusto Pinochet, no Chile, a de Alfredo Stroessner, no Paraguai, bem como a militar brasileira, será seguida pela candidatura democrata. De acordo com suas próprias declarações, Biden irá financiar os golpistas de Cuba para tentar destruir o Estado Operário cubano e irá aprofundar a desestabilização do regime chavista na Venezuela.

Nesse sentido, a eleição de Joe Biden nada tem a ver com uma “vitória da democracia”. Trata-se, portanto, de uma vitória do imperialismo, dos setores responsáveis pela miséria e por inúmeras atrocidades contra os povos de todo o planeta. Por mais que Trump seja uma figura direitista, ele não representa de maneira perfeita os interesses dos monopólios internacionais. Trump conta apenas com o apoio de um setor minoritário da burguesia norte-americana, não tendo a confiança do imperialismo para implementar sua política com eficiência. Tanto é assim que, em vários aspectos, o governo Trump não conseguiu ser tão agressivo quanto o governo anterior, de Barack Obama.

A manipulação gigantesca e vergonhosa do imperialismo para dar a vitória eleitoral a Joe Biden é, portanto, uma tentativa de “colocar a casa em ordem” para que, durante o aprofundamento da crise capitalista, a direita consiga impor uma política ainda mais agressiva em todo o mundo. Isto é, que, com todo o prejuízo que a pandemia de coronavírus deu aos capitalistas, a burguesia passe para uma pilhagem ainda mais intensa contra os trabalhadores. Contudo, é preciso destacar que, mesmo elegendo Biden, o imperialismo teve uma derrota estrondosa.

A derrota está no fato de que, mesmo com tanta manipulação e fraudes, Joe Biden obteve uma vitória apertada sobre Donald Trump. Isto é, que não há um acordo real entre a população e a candidatura de Biden. O que fará com que a política genocida do imperialismo não tenha um apoio popular real. Isso mostra a imensa debilidade do imperialismo, que tem tido dificuldade de prosseguir com seus golpes. Vale lembrar que, tanto na Bolívia, como na Argentina, o imperialismo foi obrigado a chegar a um acordo com os setores mais moderados do movimento nacionalista burguês para impedir uma crise social.

Cabe à esquerda não comemorar a “vitória” de Biden, mas sim aproveitar a fragilidade do regime para intensificar a mobilização dos trabalhadores contra seus inimigos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas