Genocídio
Biden foi um dos maiores articuladores da invasão do Iraque em 2003 e passou a ter uma papel de destaque na destruição do país durante a vice-presidência dos governos Obama
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fisk-march-2003
Uma das inúmeras bombas jogadas por Biden e seu grupo política em Bagdá, 2003 | Foto: Reprodução/Internet

Joe Biden, candidato integral do imperialismo norte-americano, foi o responsável direto pelo intenso bombardeio que inicia a invasão do Iraque, no dia 20 de março de 2003. Após uma enorme campanha de toda a imprensa burguesa mundial contra o dito “terrorismo” impulsionada pelo 11 de setembro, aliada à propaganda de Bush, o imperialismo invadiu o Iraque. Durante a invasão, que começou com a destruição completa da capital Bagdá, o país sofreu uma tentativa de divisão interna, um crescimento exponencial de milícias tipicamente fascistas, campos de concentração, campos de tortura e uma destruição total da infraestrutura do país, consequentemente das condições de vida do povo. Somaram-se nesse episódio monstruoso da nossa história recente mais de um milhão de cadáveres de iraquianos mortos pela guerra e por todas as suas consequências, como fome e doenças. A quantidade de mutilados e afetados duramente pela guerra é toda classe trabalhadora iraquiana.  

O voto do senador Biden para matar um milhão de iraquianos 

Desde de 2001, quando houve o 11 de setembro que serviu como pretexto para uma política intervencionista no Oriente Médio, com a chamada “Guerra ao Terror”, como era chamada nos jornais burgueses de todo mundo, juntamente com o próprio presidente dos EUA na época George W. Bush. Nesse momento, estava lá Joe Biden como Senador dos Estados Unidos e uma das figuras fundamentais para impor a guerra ao Iraque e ao Afeganistão. O voto de Joe Biden, em 2002, na autorização de um grande mar de recursos, de dinheiro do Estado, para o bombardeio, os campos de concentração e a destruição do país, para favorecer alguns monopólios do qual ele é uma sombra, é a superfície mais clara da sua ligação com os bancos internacionais e as petrolíferas. Ele não votou apenas, como articulou todo processo de ocupação. 

Biden é destacado por seu longo histórico de negociatas no Iraque, onde desempenhou um papel decisivo não apenas na guerra em si, mas em todas suas consequênciais, como mortos, mutilados e torturados e a ascensão de grupos fascistas no país. O voto de Biden já mostrava suas relações com o imperialismo, mas foi durante o governo Obama, onde ele era o vice-presidente, que nos EUA nunca foi um papel decorativo como se costuma vender. Biden, como vice-presidente da república, foi o rei dos escombros de um genocídio. 

Biden, vice-presidente: o conselheiro de Obama em dividir o Iraque 

Quando Obama ganha a presidência em 2009, após a bancarrota do sistema financeiro mundial e prometendo acabar com a guerra do Iraque através de uma demagogia rasteira, da qual era rejeitada profundamente pela população norte-americana, devido aos seus gastos monstruosos que degredavam toda sociedade e destruía as condições de vida dos trabalhadores e a crise era sentida até na classe média, Obama volta-se para Biden como seu maior conselheiro na continuação da guerra do Iraque. Enquanto 150.000 soltados ocupavam o Iraque nesse momento, Obama dizia a Biden: “Você conhece o Iraque melhor que ninguém”, segundo depoimento de Antony Blinken, conselheiro de segurança nacional dos EUA. Biden seguiu a norma de dividir para saquear, e propôs dividir o país em três partes. 

Antes ele já assumia funções importantes como o Comissário de relações exteriores do Senado, quando pressionava Saddam Hussein a permitir “inspetores de armas”, que não passavam de agentes da CIA e demais órgãos reacionários e antidemocráticos, chagando a dizer que Bush o usaria querendo ou não. Nos anos da invasão, o Iraque era seu principal destino internacional.  

A Al-Qaeda foi substituída pelo ISIS, que dominava com grupos de mercenários cerca de 40% do território iraquiano. Tudo isso com recursos do imperialismo, que usou de pretexto para acabar com a “folga” da invasão, quando os EUA voltam com suas tropas para o Iraque.  

O avanço do ISIS, chegando a Bagdá, coloca em marcha o plano orquestrado por Biden de rachar o Iraque em três, colocando 40% do território do país sobre o dominío de uma mílicia fascista fortemente armada; que ele armou. E no acordo com esses grupos estavam a capital e as regiões de minério, petróleo e energia como pertencentes aos Estados Unidos, isto é, aos monopólios que dominam o mercando internacional. Biden chegou a orientar Obama de retirar as tropas do Afeganistão e colocá-las todas no Iraque, pois sem o exército norte-americano controlando o ISIS e outros grupos, eles se tornariam forças independentes e de desestabilização política. Por isso o exército norte-americano ataca, volte e meia, esses grupos; longe de destruí-los, controlá-los por completo. 

Biden foi o maior representante da política genocida que os EUA impuseram ao Iraque e aos iraquianos, responsável pelo saque imperialista, pelo regime de terror, pelo assassinato a sangre frio de milhares de trabalhadores, de inúmeras torturas em campos de concentração. O passado de Biden nos dá a clareza do que será um governo onde ele mesmo é a cabeça visível, um governo de genocidas dos povos dos países oprimidos da Europa, da América Latina, África, Ásia, Oriente Médio e Oceania.   

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas