Criminoso de guerra
Joe Biden é o verdadeiro articulador político da carnificina no Iraque, votando a favor da invasão e coordenando as ações genocidas no país do Oriente Médio
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
biden-and-bush
Biden e Bush, irmanados na defesa da mesma política de genocídio contra os povos | Foto: Arquivo/DCO

Se existe um nome que possa traduzir o significado de “guerra do Iraque e seus milhares, milhões de mortos e mutilados” esse nome é certamente o do candidato democrata norte-americano Joe Biden, o provável próximo presidente dos Estados Unidos da América. 

Biden tenta exorcizar o fantasma que lhe atormenta desde 2002, quando no exercício do cargo de senador, votou pela autorização da entrada dos EUA na guerra, com o envio das tropas ao Iraque, início de uma das maiores carnificinas e morticínio perpetrados por um exército de ocupação contra um país e um povo praticamente indefeso.

A responsabilidade direta de Joe Biden na guerra, todavia, vai muito além do voto dado no Senado para a invasão ao país do Oriente Médio. A crise de Biden com a guerra do Iraque se prolonga com os dois mandatos de Barack Obama, quando o democrata foi o vice-presidente, exercendo funções de Estado muito importantes, particularmente no que diz respeito aos assuntos de política externa e de segurança nacional da administração Obama, marcada por intervenções militares no próprio Iraque, na Síria, Afeganistão e na Líbia, para citarmos apenas as mais importantes e de maior repercussão.  

O agora muito provável presidente eleito, no pleito mais polarizado de todos os tempos na maior potência econômico-militar do planeta, foi figura de destaque em todos os mais importantes momentos em que os EUA esteve envolvido nos conflitos internacionais, atuando como negociador e particularmente como “conselheiro de guerra”, pois esteve à frente de um dos mais estratégicos postos de comando da política externa norte-americana, a Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Biden se destaca dos comuns por seu longo histórico em assuntos estrangeiros e no Iraque em particular, onde desempenhou um papel decisivo não apenas na guerra em si, mas em suas consequências desastrosas e caóticas, o que – de acordo com muitos analistas – permitiu a ascensão do Estado Islâmico.  Desta forma, enquanto Biden apregoa sua experiência em política externa como uma de suas qualificações para o cargo que está próximo a assumir, seus adversários e críticos consideram o Iraque um excelente exemplo de seu mau desempenho e  julgamento. Foi o voto de Biden no senado a uma resolução autorizando o uso da força militar no Iraque que acabou por servir como justificativa do então outro presidente genocida, George Bush, para a invasão ao Iraque.

Biden é responsabilizado também pela retirada mal planejada das tropas norte-americanas do Iraque, o que teria custado milhares de vidas dos soldados, abrindo uma crise de enormes proporções nos Estados Unidos, com o aumento da impopularidade da guerra entre a população americana. Biden foi o coordenador direito da operação, o que tem lhe valido críticas dos mais diversos setores da política externa, em particular dos “opositores” republicanos.

Embora o Iraque apareça como o fantasma maior que atormenta e tira o sono do genocida recém-eleito presidente, a atuação de Biden na promoção de guerras ao redor do mundo não deixa dúvidas sobre qual a política irá nortear e prevalecer na orientação dos EUA quanto à sua política externa, que sempre foi de ingerência nos assuntos internos de outros países, notadamente naqueles que o imperialismo julga ser estratégico para os seus interesses geopolíticos.

Os EUA foram partícipes diretos em uma guerra que provocou uma das maiores tragédias humanitárias da história. O apoio político e militar à “oposição” na Síria – que objetivava a derrubada do presidente Bashar Al Assad, teve como consequência não só a destruição do país, como milhares de civis mortos e feridos. Biden está com essa conta pendurada em seu currículo manchado de sangue, registrada como uma das maiores carnificinas contra uma nação e um povo. Em mais esta guerra, os norte-americanos foram obrigados a reconhecer a derrota, o que fez crescer a lista de intervenções malogradas dos EUA, aumentando exponencialmente a crise no país.

Nada, contudo, supera o morticínio ocorrido no Iraque sob a gestão do republicano e genocida Bush, devidamente auxiliado e aconselhado pelo democrata Biden, que emprestou toda a sua longa experiência em assuntos internacionais e em crimes de guerra para promover não só a liquidação da capacidade do estado, como a eliminação física, o assassinato de mais de 1 milhão de iraquianos, incluindo aí mulheres, idosos e crianças. Na maioria dos casos, as tropas invasoras agiam com bestial crueldade com a população. São muitos os relatos que dão conta da insana brutalidade dos soldados americanos contra civis indefesos, que não opunham nenhuma resistência e mesmo assim eram submetidos a sessões de torturas e humilhações.   

Portanto, não há nada a ser comemorado com a provável confirmação do nome de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos. Os democratas serão iguais ou mesmo ainda mais perigosos e ameaçadores que os republicanos; serão ainda mais agressivos e belicistas que seus compatriotas republicanos. Afinal, nos EUA só existe um partido, com duas facções. Este partido é o do grande capital;.é o partido da dominação pelo uso da força militar e da chantagem econômica sobre os povos de todo o mundo, em especial as nações oprimidas e indefesas.

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas