Demagogia barata
A eleição de joe Biden, celebrada pela imprensa capitalista e apoiada pela esquerda pequeno-burguesa identitária, não representa qualquer avanço para as mulheres
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ewscripps.brightspotcdn.com
Joe Biden, autor de diversas leis repressivas que recaíram sobre a população pobre nos EUA | AP Photo/Andrew Harnik.
ewscripps.brightspotcdn.com
Joe Biden, autor de diversas leis repressivas que recaíram sobre a população pobre nos EUA | AP Photo/Andrew Harnik.

A imprensa imperialista celebra a eleição de Joe Biden, do Partido Democrata, para a presidência dos Estados Unidos. Em eleições marcadas por denúncias de manipulações políticas e fraudes no já complexo, fraudulento e antidemocrático sistema eleitoral americano, Biden venceu o atual presidente Donald Trump, do Partido Republicano. Este último declarou inúmeras vezes que houve fraude e recorreu à Suprema Corte para anular votações nos Estados, no que foi derrotado.

A esquerda pequeno-burguesa americana declarou apoio ao candidato do imperialismo, Joe Biden, contra Trump. A demagogia política de tipo identitária dos democratas em relação as mulheres, negros e LGBTs fez com que a esquerda ficasse na rabeira deste partido burguês e imperialista, um partidos dominado pelos grandes capitalistas, banqueiros e magnatas. A esquerda procurou destacar que a eleição de Biden representou uma vitória para a luta das mulheres, o que não encontra qualquer sustentação na realidade.

Biden é acusado de estupro por uma ex-funcionária e está envolvido em diversos episódios de assédio sexual, mas a esquerda pequeno-burguesa identitária tem olhos para não enxergar, exceto quando é conveniente. Além disso, o democrata foi colaborador na formulação de leis que aumentaram a repressão às mulheres, às comunidades negra e latino-americana nos Estados Unidos, o que levou ao encarceramento massivo e expansão inédita do sistema penitenciário americano. Atualmente, os EUA têm mais de 3 milhões de presos, em sua maioria negros e latino-americanos.

A invasão do Iraque (2003) contou com o apoio entusiasmado de Biden. Desnecessário dizer que a vida de milhões de mulheres iraquianas foi destruída pelas tropas americanas que traziam a democracia na ponta da baioneta, nas balas dos veículos blindados, nos mísseis de alta precisão e nos caças supersônicos. O político democrata teve papel de relevo na organização da conspiração golpista que derrubou a primeira mulher eleita presidenta da República no Brasil, Dilma Rousseff (PT). Desde o golpe, as mulheres brasileiras têm pago caro com o desemprego, a escalada da violência, a miséria e o confinamento forçado no ambiente doméstico.

Os golpes de Estado em toda a América Latin contaram com a participação de Biden e dos democratas. As mulheres são as que estão pagando o preço mais alto pela derrubada dos governos nacionalistas e ascensão de governos alinhados com os interesses do imperialismo.

Os democratas vão se utilizar da demagogia política identitária para aumentar a repressão estatal na sociedade norte-americana. As reivindicações das mulheres serão desfiguradas para servirem como um pretexto para aprovação de leis repressivas. Contudo, toda a repressão vai recair, inevitavelmente, sobre os setores mais explorados e oprimidos da sociedade, em particular sobre as próprias mulheres.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas