Política repressiva
Joe Biden é o principal responsavel pela política de encarceramento em massa da população negra nos Estados Unidos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Democratic U.S. presidential nominee Joe Biden smiles as he speaks about the results of the 2020 U.S. presidential election during an appearance in Wilmington, Delaware, U.S., November 4, 2020. REUTERS/Kevin Lamarque     TPX IMAGES OF THE DAY
Joe Biden, um inimigo do povo negro e dos trabalhadores | Foto: Kevin Lamarque/Reuters

OS EUA concentram a maior população carcerária do mundo, os presos no sistema penitenciário correspondem a 25% dos presos no mundo. Este país é um exemplo de encarceramento em massa com seus mais de 2 milhões de presos. Uma pesquisa da Universidade de Cornell mostrou que 45% da população norte-americana teve algum parente próximo que passou pela prisão ou está preso, na comunidade negra, mesmo sendo uma minoria nacional, esse número sobe para 63%.

A política de encarceramento em massa tem um ponto de partida, ou pelo menos um ponto de impulso fundamental. A data é 1994, durante a presidência de Bill Clinton, o principal responsável, o senador Joe Biden. Trata-se da Lei Federal contra o crime de Biden.

O lei foi aprovada no senado americano e sua consequência é o Estado atual do país no que diz respeito ao encarceramento em massa. A lei estendeu a pena de morte a 60 novos crimes, endureceu as sentenças, ofereceu aos estados fortes incentivos financeiros para a construção de novas prisões e proibiu uma série de armas de assalto, Também apliou o efetivo de políciais, de 1990 a 1998 o efetivo passou de 699.000 para 899.000 políciais. O projeto fascista da lei anti-crime de Sergio Moro, não passa nem perto da magnitude da lei de Biden aprovada em 1994.

Uma lei extremamente dura que marcou todo o país, como um dos mais repressivos do mundo. O Estados norte-americanos para ter acesso às verbas federais, foram destinados a construção de presídios, somente naqueles Estados que garantirem que os presos cumprissem 85% das penas em regime fechado, mudaram suas legislações e muitos adotaram legislações estaduais similares. Foi a criação de um verdadeiro Estado policial.

A lei tem efetivamente um público alvo preferencial, a população negra norte-americana e é uma expressão da opressão que sofre essa comunidade étnica dentro dos Estados Unidos. Biden já havia antes, em 1988 apoiado o Lei antidrogas que aumenta penas para uso de substâncias como o Crack, leis dirigidas contra a população pobre, notadamente a população negra.

Os nefastos efeitos desta lei de tipo fascista são sentidos hoje por milhões de pessoas encarceradas, pelas milhares assassinadas pelo estados e por milhões e milhões de familiares desses presos, muitas vezes por nada. Por isso mesmo a lei é execrada nos Estados Unidos.

Donald Trump, chegou a publicar nas redes sociais que ninguém ligado a lei anti-crime de 1994 seria eleito, sobretudo pela comunidade negra. Da parte de Trump é pura demagogia, pois ele também apoia estas medidas, mas revela o grau de rejeição desta lei do senador Biden na sociedade norte-americana.

Biden durante a campanha eleitoral procurou se desligar de seu feito passado, afirmando que a lei refletia um determinado momento histórico e que agora existe outro momento, e como um bom demagogo fala de coisas como prevenção, diminuição do encarceramento e etc.

O número de negros no sistema prisional norte-americano passa dos 30% e teve uma aumento exponencial entre os da década de 1990, mesmo correspondendo a cerca de 15% da população daquele país.

Essa é a política de Biden, repressiva, contra os direitos da população norte-americana, racista; pela manutenção e o aprofundamento da opressão dos negros. Não deve absolutamente nada a Trump e talvez seja alguma coisa mais agressiva, é isso que devemos esperar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas