Moedores de carne dos negros
Biden e Harris representam o que há de pior na política reacionária do imperialismo; uma trajetória de encarceramento em massa, colocam muito sangue em suas mãos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
kamala-harris-foi-anunciada-como-vice-presidente-de-joe-biden-em-corrida-eleitoral-nos-eua-1597192496737_v2_1080x1080
Dois fascistas para esmagar a população dentro e principalmente fora do seu próprio País | Foto: Reprodução

Joe Biden se proclamou Presidente da República dos Estados Únidos juntamente com sua vice, e possível sucessora Kamala Harris, causando uma euforia nos bancos internacionais, monopólios petroleiros e o que há de pior no bloco que domina o mercado internacional. Que são, por sua vez, os setores que mais apoiam o encarceramento em massa da população e o escravagismo atual. Há história pregressa de ambos as figuras que, por enquanto, aparecem vitoriosas na administração da massa falida do estado imperialista norte-americano. De um lado Biden representa o bloco político do imperialismo mundial, com sua política intervencionista, de golpes e guerras. Do outro, uma agente carcerária da alta burocracia dos Estados Unidos, uma promotora cujo currículo escancara o sangue nas mãos do povo negro norte-americano, cujas leis repressivas de encarceramento em massa tem a autoria e assinatura da mesma.  

A imprensa faz uma propaganda superficial e manipuladora sobre quem é Kamala Harris. O que é dito aqui em jornais como Folha de S. Paulo e O Globo, como em jornais como BBC e The New York Times é o mesmo: Kamala é negra, descendente de indianos, uma imigrante, uma minoria, uma empoderada, uma guardiã do “lugar de fala”; uma rainha africana do imperialismo mundial. Nada mais falso. A propaganda identitária da imprensa pautada pelo imperialismo não toca o problema nem de Biden, que tem um currículo de causar inveja em qualquer assassino em série, e de Harris, que era um agente carcerário bem vestido e bem aproado. 

Essa falsificação em torno de Harris não é somente ridícula, como grotesca. Em qualquer lugar normal, o nome próprio para um promotor nos Estados Unidos é a taxação simples e direta de racista. Afinal, não há outro motivo para se ser promotor de justiça nos EUA do que seguir, a risca, a política escravagista e de encarceramento em massa da população pobre. Nesse sentido, Kamala foi uma promotora “exemplar”. 

A propaganda de que Kamala é uma negra “empoderada”, uma “representante” da população negra esmagada nos EUA se choca frontalmente com a realidade da sua trajetória no judiciário norte-americano; atrás de si, andava no seu cortejo a defesa incondicional da prisão perpétua de um lado, e a cadeira elétrica de outro. Kamala foi quem tornou um crime a evasão escolar – levando crianças negras e pobres para a delegacia e seus pais para cadeia se faltassem mais de dez dia. Ignorou a inocência de pessoas negras e pobres, defendendo as acusações infundáveis de seus amigos promotores, defendendo até o fim o esmagamento da população pobre. Defendeu, na Califórnia, a negação do estado de fazer a cirurgia de mudança de sexo a uma presidiária e, mais além, aprovou que presidiárias transexuais fossem presas em celas masculinas para serem violentadas por dezenas e centenas de homens. 

O mais interessante da história da carcerária que se tornou vice-presidente, é que justamente por ser negra que ela adotou políticas mais severas, como facilitar a prisão perpétua e a aberração da pena de morte. Porque justamente suas ambições eram maiores, como ficou nítido na sua indicação para vice-presidência e possível substituta do homem do imperialismo mundial Joe Biden, o genocida. A política de criar leis absurdas para encarcerar a população, como a Lei do Crime de Biden que coloca pessoas com porte de drogas na cadeia, e três vezes como reincidente para a prisão perpétua. Sem contar que, graças a Harris, uma pessoa não pode ser inocentada no corredor da morte norte-americano. Essa política de reforçar um sistema carcerária que é um moedor de carne da população negra o escravagismo puro sangue, defendido por Harris dentro das cadeias e por Biden onde o imperialismo norte-americano devasta com golpes de Estado e guerras fraticidas, acabando por destruir os direitos dos trabalhadores em seus respectivos países e tornando-os em verdadeiros escravos.  

Essa é a política do imperialismo, fazer parecer um senhor de engenho e uma carcerária aprumados como “democráticos”. Fica evidente que de democráticos o sr. Biden e a sra. Harris não tem absolutamente nenhuma gota pra gastar; apenas uma saliva para dizer aquilo que não são, nunca vão fazer e o oposto de tudo que fizeram antes. Ambos, foram, cada um ao seu modo e complementarmente, políticos da pena de morte e do trabalho escravo; dentro e fora dos presídios. E depois de dezenas de anos de trajetória política, não seria diferente agora nesse governo de crise. O governo Biden irá levar uma política dura de esmagamento da população negra, junto com a carniceira que tem como vice, e não irá fazer outra coisa senão uma demagogia rasteira, sustentados em uma imprensa venal cuja maior função é a falsificação profissional da realidade. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas