Não ao identitarismo
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, resgatou para seu governo o general negro Lloyd Austin que comandou massacres contra outros povos durante o governo de Barack Obama
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
TDKZHRPY2NGHBDJOGY47WHZJZA
Lloyd Austin e Brack Obama no Iraque | Foto: Reprodução

No início da semana passada, o presidente golpista dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou, para euforia dos grupos identitários e da esquerda pequeno-burguesa, o primeiro negro Secretário de Defesa do Pentágono. Desta vez, um nome que demonstra de forma acabada a demagogia desta política, Lloyd Austin foi chefe do Comando Central de operações de guerra contra países do Oriente Médio no governo Obama. A nomeação demonstra de maneira acabada que Biden vai levar a diante a mesma política genocida contra vários povos do mundo que comandou no governo do fantoche de Barack Obama. 

A política identitária tem causado grande confusão para luta do povo negro, esses grupos políticos comemoraram com grande entusiasmo a vitória de Biden por ter como vice presidente Kamala Harris. Apesar de ser mulher negra, sua participação na política do Senado se resumiu a legislar por maior repressão do estado e por maior encarceramento contra o povo negro, ou seja, atuação digna de uma capitã do mato. Da mesma forma, os identitários também comemoraram a vitória do negro Barack Obama, governo fantoche cuja mão que o controlava era do então vice-presidente Biden. 

O governo de Obama, que foi eleito com base na demagogia identitária como alternativa à crise no país, não atendeu minimamente as demandas históricas do povo negro, muito pelo contrário, aprofundou ainda mais as desigualdades. Além disso, o negro, que supostamente libertaria seu povo de toda exploração e desigualdade, foi recordista em bombardear outros países do mundo para que a burguesia imperialista pudesse promover maior exploração e roubar as riquezas destas populações. A política identitária foi, neste sentido, utilizada para promover verdadeiros genocídios contra outros povos oprimidos do mundo. 

No governo Obama, o general aposentado Lloyd Austin foi responsável por operar verdadeiros massacres contra as populações do Iraque, Afeganistão, Iêmen e Síria. O retorno de Austin ao governo dos Estados Unidos, agora como Secretário de Defesa, demonstra que o governo Biden é o mesmo governo de outrora (Obama) e deverá levar adiante uma política ainda mais sanguinária que em tempos passados devido grande intensificação da crise econômica do capitalismo. 

É necessário um efetivo combate ideológico à política identitária da esquerda pequeno-burguesa que tem sido um elemento de confusão para os ativistas e militantes da esquerda, que por conta dessas posições são levados a apoiar verdadeiros inimigos do povo negro e de todos explorados do mundo. A questão do negro nos Estados Unidos é um dos aspectos centrais da luta contra o imperialismo e pode eclodir em uma guerra civil no país. O povo negro precisa se organizar em um partido classista e independente; e superar a política demagógica do imperialismo. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas