Guerra declarada à juventude
O genocida Biden a mando de seus patrões, os bancos, declarou que irá reabrir a maior parte das escolas, mesmo os EUA tendo o maior número de mortes devido ao Covid-19
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
biden kamla
Presidente e vice genocidas, Biden e Kamala | Foto: Reprodução

No dia 08 de dezembro, em suas redes sociais, o recém eleito presidente dos EUA, o senhor da guerra Joe Biden, destacou suas prioridades em relação ao Covid-19 para os primeiros 100 dias de administração. A primeira delas é que todos devem usar mascaras, a segunda é a promessa de vacinação de 100 milhões de pessoas e a ultima paradoxalmente é a reabertura da maioria das escolas. A pressão do imperialismo sobre a volta às aulas é tão forte que essa política terrível para o aumento das contaminações é colocada, sem sentido nenhum, junto às políticas de contenção do vírus para tentar enganar a população, que tem uma gigantesca resistência à reabertura das escolas.

Representante do setor mais forte do imperialismo, que domina os EUA e a maior parte dos países do mundo desde o fim da segunda guerra, Joe Biden segue à risca a política definida pelos monopólios que que controlam a economia mundial, como as petroleiras e principalmente os bancos. Assim, obedece política ditada por esse setor, que esta muito bem definida como se viu na recente declaração da UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, que declarou o desejo da reabertura completa das escolas internacionalmente, supostamente para garantir a educação, mas que tem como motivo real a garantia dos lucros dos capitalistas, diante da estimativa da OCDE que o fechamento das escolas acarretam uma queda de 1,5% do PIB mundial.

Toda a declaração do genocida Biden em suas redes sociais é absurda, a meta de máscaras para toda a população poderia ser algo razoável em países que vivem na miséria como os que foram bombardeados às ordens do próprio Biden, isto é, Líbia, Síria, Iraque, Somália, Afeganistão etc. Contudo, no país imperialista mais rico da história da humanidade, garantir máscaras a todos é menos que o mínimo. O mesmo vale para as vacinas, os EUA tem uma população atualmente de 330 milhões de pessoas, portanto a vacinação de 100 milhões esta muito abaixo do necessário e propor a reabertura de escolas, não depois da vacinação em massa, mas durante a vacinação parcial enquanto a pandemia esta completamente descontrolada, é uma política totalmente criminosa.

A vacina em si é outro fator que não esta sendo proposto como um real cuidado à saúde da população, mas sim como uma disputa econômica e política em defesa dos interesses do imperialismo. Toda a divisão de pesquisa de vacinas em si já é absurda, a pandemia se tratando de um problema internacional, deveria ser tradada com uma aliança dos estados internacionalmente pelo desenvolvimento rápido da vacina. Nos EUA, algo parecido foi feito uma vez, durante a segunda guerra, mas não em prol da saúde do povo, mas sim para desenvolver a primeira bomba atômica, foi o famoso Projeto Manhattan. Essa história deixa bem claro que não existe a tal “ala cientifica” tão propagandeada pela imprensa burguesa, toda a pesquisa cientifica esta subordinada aos interesses do imperialismo.

No caso da vacina ainda há fato de que, dentre as variedades que existem na atualidade, a vacina desenvolvida pelo Pfizer, multinacional dos EUA e segunda maior indústria farmacêutica da atualidade, é possivelmente a pior opção. Mas quem manda de fato em Biden, são justamente os monopólios como a Pfizer que boicotam, mesmo que custe a vida de milhões, todas as alternativas que não fazem parte de seu cartel, como por exemplo a vacina russa Sputnik V que possivelmente é a melhor das desenvolvidas até o momento.

Aqui vale destacar um ponto muito importante, visto que após a enorme campanha da burguesia frente às eleições presidenciais dos EUA, existe uma confusão sobre o caráter de Joe Biden. Na realidade, como foi abordado acima, todo o setor tradicional e mais forte do imperialismo se unificou contra Trump a favor de Biden, de Wall Street à indústria bélica e do petróleo, e para concretizar seu plano usaram da tática da frente ampla para colocar a esquerda a reboque de um dos maiores genocidas da atualidade, responsável direto por diversas guerras, pelo encarceramento em massa, pela destruição da economia norte americana e toda a miséria do país. E agora,  o futuro responsável direto pela morte de dezenas de milhares por falta de cuidados básicos no que concerne o Covid-19.

A política genocida de reabertura das escolas é mais um indicio de que Biden segue os ditames dos monopólios imperialistas, o que se manifesta também em todo o seu secretariado ultra reacionário, com por exemplo, um general veterano da guerra do Iraque para ministro da defesa ou a própria vice presidenta ligada ao maior sistema carcerário do mundo. As alas mais progressistas dentro do partido democrata, que caíram na manobra e apoiaram Biden, rapidamente estão entrando em conflito com o presidente devido a suas políticas completamente neoliberais.

Deste modo não se pode esperar nada de positivo do governo Biden, sendo o maior representante da burguesia internacional, isto é, do próprio imperialismo, seu governo será o maior inimigo da classe operária internacional como um todo. Os trabalhadores e estudantes de todo o mundo devem se unificar e lutar contra reabertura das escolas e todas as demais políticas genocidas que serão aplicadas pelo senhor da guerra Joe Biden.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas