Eleição presidêncial nos EUA
Sanders lidera com folga as prévias dentro do Partido Democrata e inquieta os líderes do partido.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bernie_sanders_debate_alone_ap_img
Candidato democrata Bernie Sanders |

Estamos em ano de eleição presidencial nos Estados Unidos da América, mais uma vez o povo se defronta com a ameaça de uma vitória da extrema-direita, com uma possível reeleição de Trump. A crescente polarização faz com que, do outro lado, o candidato mais à esquerda da oposição, Bernie Sanders, pelo Partido Democrata, lidere as prévias dentro do partido.

Sanders foi um dos principais nomes na eleição passada, sua disputa contra Hilary foi acirrada, e não fosse o sistema eleitoral antidemocrático, criado para favorecer os candidatos da burguesia em casos como esse, teria ganhado. A matriarca dos democratas venceu pois obteve os votos dos superdelegados.

Desta vez, Bernie Sanders vem ainda mais forte. Sua disparada dentro do partido deixou-o com 39 porcento; gritantes 18 pontos à frente do segundo candidato, Elizabeth Warren, e quase 30 pontos de distância de Pete Buttigieg e Joe Biden, esse último foi o vice de Obama, e era um dos principais nomes propagandeado pela burguesia como alternativa à Trump.

O crescimento de Sanders é um dos sintomas da crise do Partido Democrata, que vem enfrentando um enorme crescimento de sua ala mais à esquerda. Ao passo que o sistema eleitoral americano restringe a corrida eleitoral a dois partidos da alta burguesia, Republicano e Democrata, o mais progressista dentre eles, acaba sofrendo com a polarização política e vê sua ala esquerda crescendo do mesmo modo que a extrema-direita cresce dentro do Partido Republicano.

Diante esse panorama péssimo para os cacifes do partido e os adversários republicanos, a estratégia tem sido uma enorme campanha midiática contra Bernie, não diretamente contra suas pautas populares, mais contra a possibilidade de que este vença face a Trump. Temos aí uma tática muito parecida com a usada contra o candidato petista, Fernando Haddad, na última eleição presidencial no Brasil, onde enfraqueceram o candidato mais a esquerda alegando a impossibilidade deste vencer contra a extrema-direita no segundo turno, enquanto puxavam a sardinha para um candidato mais alinhado e dependente da direita tradicional, neste caso Ciro Gomes, que na verdade, como foi comprovado, sequer tinha chance de chegar ao segundo turno. Porém, ao contrário da eleição brasileira, a corrida é entre dois candidatos do mesmo partido para ver quem disputará as eleições. Como será possível um outro candidato do Partido Democrata ter mais popularidade contra Trump sem tê-la dentro do próprio partido?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas