Fora Fascismo
Educadores deixam claro: Fascistas não passarão! Abaixo o escola sem partido! Após intensa confusão, Guarda Municipal entra em cena para reprimir professores.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
images-4-300x200
PL 274/17 Escola sem partido é rechaçado em sessão na Câmara Municipal de BH. |

Após mais uma tentativa de impor a mordaça nas escolas, os golpistas morderam o próprio rabo. Em plena votação do Projeto de Lei 274/17 – conhecido como “escola sem partido”, um tumulto tomou conta da sessão na Câmara de Belo Horizonte-MG. A rejeição foi enorme, troca de socos, empurrões e intensa gritaria denotaram a repulsa da população quanto à política fascista de Bolsonaro (PSL) e seus asseclas golpistas.

O início da confusão se deu quando, durante o discurso do vereador Gilson Reis (PCdoB), um apoiador da política fascista “escola sem partido” fez sinal de arminha com as mãos (o mesmo gesto que o capitão boçal utiliza para propagandear sua política fascista). Por conseguinte, a vereadora Nely Aquino (PRTB), presidenta da casa, suspendeu a sessão e determinou que se fizesse o esvaziamento do local. A partir daí uma enorme confusão se estabeleceu. A Guarda Municipal, por sua vez, cumpriu seu papel e atacou os professores que, corretamente, se manifestaram contra os direitistas e sua política reacionária.

“Ele foi enforcado e desmaiou durante a abordagem. Agora, está no (Hospital de Pronto-Socorro) João XXIII, mas detido”, afirmou Cláudia Lopes da Costa, diretora do sindicato dos Trabalhadores da Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH), ao se referir ao colega de trabalho que, inclusive, chegou a ser detido pela Guarda Municipal. Mediante o ocorrido, Cláudia se deslocou à Central de Flagrantes (ceflan) 1, no Bairro Floresta, Região Leste de BH, e registrou um Boletim de Ocorrência.

“Eu fui empurrada e puxada várias vezes pelos seguranças. Desde que a gente chegou, foi montado um aparato de segurança muito além do normal da Câmara. Parece que eles já estavam prontos para fazer algo”, relata Cláudia. “Estudantes, idosos e mulheres correram risco lá. Ninguém se feriu, mas o perigo foi grande”, completou.

Vale salientar que a direita tem encontrado uma barreira para aprovar sua política reacionária. Um setor contrario à política reacionária tem obstruído a bancada golpista. O texto, de autoria da bancada religiosa, tem 21 assinaturas, todavia, devido às manobras regimentais, não tem conseguido ser apreciado em 1º turno, e encontra-se há 10 dias engavetado.

Diante dessa investida contra a educação, é preciso levantar a palavra de ordem: abaixo o escola sem partido! A atuação dos professores que se opuseram à política da “escola sem partido”, que na verdade é “escola com fascismo”, foi legítima e precisa ser incentivada e apoiada por todos os educadores e pela população de conjunto.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas