Ataque aos direitos
A direção golpista do Banco do Brasil pretende acabar com vários direitos sociais dos trabalhadores nesta campanha salarial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Banco do Brasil #BB #Economia #Emprego #JornaldosCanyons
Banco do Brasil | Reprodução

Na reunião específica do Comando de Negociação dos Bancários e a direção do Banco do Brasil, referente à Campanha Salarial da categoria, realizada nesta quinta-feira (27), a direção da empresa propôs a redução da PLR (Participação dos Lucros e Resultados) de forma linear paga pelo programa próprio do banco.

Pelo atual acordo, ainda vigente, o banco distribui 4% de seu lucro líquido linearmente para os trabalhadores e, agora, o banco quer reduzir esse percentual para 2% do lucro líquido. Além do roubo nos vencimentos dos trabalhadores, o banco nas últimas reuniões de negociação pretende acabar com vários direitos sociais, tais como: a redução do tempo de avaliação necessário para retirada de comissão de função, que hoje é de três passando para apenas um clico avaliativo, a proibição da acumulação  e venda dos cinco dias de folgas abonadas que o funcionário tem direito a cada ano; fim do descanso de 10 minutos a cada hora para os funcionários do autoatendimento; o registro de ponto do intervalo de 30 minutos para almoço; e a implantação do ponto eletrônico para os funcionários do BB Seguridade, BBDTVM e outros subsidiárias do banco.

Esses violentíssimos ataques contra os trabalhadores do Banco do Brasil tendem a se identificar, provocando uma queda ainda mais profunda nas condições de vida da classe trabalhadora. Sempre é bom lembrar que os bancos públicos estão no olho do furação da política do governo ilegítimo/fascista e de suas privatizações e, a retirada de direitos vai no sentido de pavimentar o caminho do entreguismo.

Nessas condições a arma dos trabalhadores bancários nesta campanha salarial é organizar a greve geral da categoria, mobilizar para derrotar o governo golpista dos banqueiros e dos tubarões capitalistas, inimigos do povo, e ir às ruas para barrar a ofensiva reacionária da direita fascista.

Além da unidade de toda a categoria bancária, uma das peças fundamentais para derrotar os golpistas é a unidade com outras categorias que estão e estarão em campanha salarial neste semestre, como os trabalhadores dos Correios – que já se encontram em greve – os petroleiros, metalúrgicos que, conjuntamente com as organizações de luta dos trabalhadores do campo e da cidade, da juventude e da esquerda anti-golpista são uma arma decisiva para superar as inúmeras manobras feitas pela direita que busca legitimar a sua política, que é fruto do golpe de Estado.

Portanto, para conter tal ofensiva não pode haver capitulação. Diante desses ataques da burguesia, os bancários devem, imediatamente, organizar a luta para o confronto imediato ao governo golpista e aos patrões. As condições estão dadas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas