Pelo Fim da Polícia Militar
Para a PM, matar não é uma exceção, é a regra.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pm chacina (1)
Foto arquivo DCO |

O campeão em matança de gente no presente ano deve ficar o com 16º Batalhão da Polícia Militar. Eram 14 os mortos até o massacre dos 9 jovens em Paraisópolis. Agora já somam 21.

Em Paraisópolis foram 10 os mortos pela PM no presente ano. Os 9 chacinados em 1º de dezembro e mais um no início de novembro. O suposto “meliante” que matara o Sargento Ronaldo Ruas.

A chacina de 1º de Dezembro, presume-se, foi o troco, por alguém não policial, ter tido a ousadia de ferir de morte um policial.

Coronel Salles, comandante da PM, durante o enterro do Sargento Ruas, nas redes sociais, premeditou o que ocorreria em breve em Paraisópolis. Era a Operação Pronta Resposta. A operação que não tinha prazo para terminar, teve o premeditado resultado, o massacre de Paraisópolis, 9 mortos pela PM.

Até a chacina de 1º de dezembro em Paraisópolis, o 16º Batalhão da PM, já era o segundo em número de mortos pela intervenção da PM, já somava 14 mortos. Era o segundo mais letal na grande São Paulo.

Cabe ao 16.º BPM/M patrulhar regiões do Morumbi, na zona sul, e do Butantã, Jaguaré e Rio Pequeno, na zona oeste, além de Paraisópolis.

Até a chacina de Paraisópolis, o batalhão  mais letal da capital era o 28.º BPM/M, que atua em Guaianases, na zona leste, e registrou 17 mortes durante suas ações.

PM da Chacina de Paraisópolis, a mais letal

“De todos os batalhões da PM, o 16º  BPM/M é o mais letal. Dados da Ouvidoria apontam que desde janeiro de 2014, foram 26, os mortos pela PM que faz rondas nas zonas oeste e sul (morumbi)”, noticiava em 20/03/2015, Gazeta do Povo.

Em 2017, o ranking da Ouvidoria da Polícia Militar, o 16º Batalhão era o segundo mais letal, com 18 mortos pela PM, relatava R7, 27/08/2018. Naquele ano só perdia para o 41º Batalhão de Santo André, com 21 mortos pela PM.

O ranking da Ouvidoria, no entanto, deixa de fora ocorrências que envolvam as Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), tradicionalmente a tropa que mais mata em São Paulo.

No ranking dos 10 Batalhões da PM mais letais, de 2017, relata o R7, o 10 º mais letal, foi o 38 º batalhão, com 12 mortos pela PM.

Chacina como a de Paraisópolis não é exceção, é a regra

Somente neste ano, foram chacinados pela polícia militar, 9 em Paraisópolis, outros 11 em Guararema e 17 em Manaus. E somente por provocar grande comoção, são notícias nacionais.

Polícia Militar é órgão estruturado para matar gente, e faz isso de forma rotineira. Estão aí as estatísticas que isso provam.

O massacre de Paraisópolis é expressão de um comportamento contínuo da PM na região, assim como em todas as periferias das grandes cidades. Esse dado mostra que esse massacre é parte de uma política. Essa política consiste em massacrar a população para conter a revolta social por meio do terror. Para impedir essa matança, é preciso desmantelar a polícia, pelo fim da PM!.

A população deve fazer sua própria segurança, por meio de pessoas dos próprios bairros, em cargos eleitos e revogáveis a qualquer tempo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas