Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
petroleo
|

Os preços do petróleo chegaram a atingir US$ 80 dólares nesta quinta-feira (17), maior valor desde novembro de 2014. A notícia chama atenção por conta das últimas jogadas do imperialismo de rapina no tabuleiro político-econômico mundial.

Primeiramente devemos ressaltar o golpe do imperialismo sobre o Brasil, que está entregando a Petrobras aos capitalistas estrangeiros, com nosso barril de petróleo – um dos melhores do mundo – sendo diponibilizado a US$ 4, o preço de um refrigerante. Em segundo lugar, somam-se as preocupações de que as exportações iranianas possam cair com a volta de sanções pelos EUA, reduzindo a oferta em um mercado já apertado e as ameaças dos mesmos norte-americanos de golpe na Venezuela. O que estamos resumindo aqui são os interesses que estão por trás dos ataques dos EUA nas suas três frentes atuais.

No Brasil, singularmente, o reflexo direto do golpe de Estado, para os trabalhadores entenderem os números, a entrega de nossos bens chega aos números que se aproximam de 1 milhão de barris por dia, sendo eles todos extraídos por outras companhias petroleiras e não pela estatal brasileira. Isso demonstra o principal objetivo dos golpistas ao darem o golpe: acabar com toda a riqueza nacional, destruindo em massa as estatais mais importantes do país, e o maior expoente disso se dá na Petrobras. Os golpistas norte-americanos devem ser barrados de conjunto, pois ameaçam todo o mundo com a guerra por petróleo, como em toda sua história o fizeram.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas