Barbárie imperialista: Salvini impede desembarque de refugiados

Rally of European nationalist and far-right parties ahead of EU parliamentary elections in Milan

Assim como em todas as situações históricas em que a extrema-direita esteve no poder: a opressão, a crueldade e os atos mais desumanos nunca deixaram de estar presentes. Afinal, os epígonos de Mussolini nunca vacilam em serviço. Desta vez, Salvini impede o desembarque de imigrantes resgatados pela Guarda Litorânea italiana (GLI).

O desembarque de 140 migrantes que estão desde a quinta-feira (25) a bordo de embarcações da Guarda Litorânea italiana está terminantemente proibido até que um acordo para distribui-los – como peças de carne – para outros países europeus seja selado.

“Dei ordens para que nenhum porto os receba antes de se acertar a distribuição por toda a Europa dos 140 migrantes a bordo (das lanchas da Guarda Litorânea)”, esbravejou Salvini.

Além dos 50 migrantes salvos pelo pesqueiro italiano Accursio Giarratano, vários botes infláveis foram resgatados à deriva no Mediterrâneo central pela GLI. Este caso revela a brutalidade da política da extrema-direita e de todos os países imperialistas vendidos como democráticos. Quando se trata de destruir os países mais atrasados para obter domínio político, todo o apoio dos países imperialistas é bem-vindo, mas ao final da destruição ninguém quer receber as vítimas dessas manobras, rejeitando para as populações pobres do mundo os direitos mais elementares. Esse é o modus operandi da extrema-direita e de todos os países imperialistas.