Nada para o povo
Economistas de bancos nacionais e estrangeiros apontam em seus relatórios que o Brasil pode estar à beira de uma crise fiscal.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fachada-do-banco-santander-em-nova-york-1484260992431_1920x1250
fachada-do-banco-santander-em-nova-york | Foto: Reprodução

Economistas de bancos nacionais e estrangeiros apontam em seus relatórios que o Brasil pode estar à beira de uma crise fiscal com a falta de ação do governo e do Congresso para responder ao risco representado pelo crescimento acelerado da dívida pública.

Segundo o Banco Central, a dívida bruta – olhada de perto pelas agências de classificação de risco como termômetro de capacidade de solvência de um país – fechou agosto em R$ 6,39 trilhões, o equivalente a 88,8% do PIB, renovando recordes mês após mês.

No melhor momento da série, em dezembro de 2013, foi de 51,5%. Agora, números da Instituição Fiscal Independente (IFI) apontam que poderá chegar a 98,6% do PIB no ano que vem e a 100,3% em 2022.

A tensão no mercado aumentou com impasse em torno do financiamento do Renda Cidadã, pensado para substituir o Bolsa Família, mas com alcance e valor médio maiores do que o programa social criado na gestão petista. O sinal vermelho acendeu com o racha no governo sobre a flexibilização do teto de gastos (regra que proíbe que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação) para acomodar entre R$ 20 bilhões e R$ 35 bilhões em novas despesas.

A crise para financiar a atual dívida do governo se somaria aos números já ruins em outros setores, como o aumento do desemprego decorrente da crise provocada pela Covid 19.

A tal “Renda Cidadã” não vai chegar nem perto de solucionar os problemas do povo brasileiro e sequer irá representar um gasto tão significativo para os cofres públicos, algo em torno de R$35 bilhões, o que não é nada perto dos trilhões dados aos banqueiros e capitalistas para conter a crise econômica gerada pela pandemia. Mesmo assim, a burguesia já demonstra sua extrema indisposição para com o programa.

Em editoriais do jornal O Estado de S. Paulo dos últimos dois dias (2 e 3 de outubro), seus articulistas relatam o quanto incomodou a burguesia o projeto da Renda Cidadã. Apesar de eles fazerem críticas a diversos aspectos do governo Bolsonaro, como as queimadas do Pantanal ou o descontrole com a pandemia, fica claro que estas críticas são apenas superficiais. O verdadeiro problema é essa proposta de transferência de renda que, segundo eles, tem uma clara intenção eleitoral e está sendo feita “sem cortes de gastos” e que, aparentemente, se configura como verdadeiro desastre fiscal para o país.

No Estado, chegam ao ponto de criticar o “superministro” Paulo Guedes, no qual botaram tanta fé e esperança, por não se posicionar abertamente contra os programas na solenidade de apresentação deste(!) Ainda fazem elogios aos ministros de Bolsonaro que conseguiram promover menores gastos em suas áreas. A burguesia demonstra, através de um de seus principais veículos de propaganda, que sua oposição com Bolsonaro não é, como acredita a parcela da esquerda que mergulha de cabeça na frente ampla, com a sua “falta de democracia”, mas sim com a sua incapacidade de ser ainda mais nocivo e ainda mais cruel em seus ataques à população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas