Banqueiros oferecem míseros 0,5% de reajuste dos salários

bancarios_greve

Na última terça-feira (21) em negociação com o Comando Nacional dos Bancários, em São Paulo, os banqueiros, representados pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), apresentou uma proposta ridícula para a categoria de 0,5% de reajuste salarial mais a inflação do período para os próximos dois anos.

A categoria bancária está sendo vítima de ataques sem precedentes no atual processo político de golpe de Estado.

Os banqueiros, um dos maiores financiadores do processo farsa comprado do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, que derrubou um governo legitimamente eleito com mais de 54,5 milhões de votos, para explorar ainda mais os trabalhadores bancários e de toda a população em geral, aplica uma política de rapina para aumentarem os seus já fabulosos lucros.

A reestruturação promovida pelo setor nas últimas duas décadas, junto com as fusões, privatizações, desregulamentações, redução acentuada dos custos operacionais e o uso intensivo da informática, levou a prática de uma política de arrocho salarial agressiva pelos bancos e o aumento exponencial das tarifas bancárias para toda a população. Os lucros dos bancos destoam totalmente com a deterioração dos salários dos bancários que ao longo dos últimos anos vêm recebendo apenas um reajuste, “acima” da inflação (todo mundo sabe que a inflação calculada pelo governo é totalmente manipulada), no percentual de 1%, uma verdadeira miséria em comparação aos lucros dos banqueiros golpistas; somente no primeiro semestre deste ano os bancos já lucraram R$ 31,6 bilhões, o que destoa completamente com o salário de ingresso de um bancário que é um pouco mais do que R$ 2 mil, remuneração pífia quando comparado com o salário mínimo garantido pela Constituição Federal calculado pelo Dieese que está em R$ 3.752,65.

Além dos salários arrochados, a categoria bancária está sofrendo uma ofensiva reacionária dos banqueiros através de demissões em massa, fechamento de centenas de agência, assédio moral, descomissionamento, ataque aos planos de saúde, etc. A proposta dos banqueiros é uma verdadeira afronta às reivindicações dos bancários de 5% de ganho real.

Os bancários fazem parte de uma das categorias mais importantes, com um contingente de mais de 450 mil trabalhadores, sendo uma das poucas categorias que conquistou, através de muita luta, um Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) nacionalmente e que detém um grande poder de mobilização.

A campanha salarial dos bancários se dá em um momento decisivo no processo golpista, a unidade da categoria aliada às demais categorias de trabalhadores que sofrem os efeitos das medidas dos golpistas deve ser um momento para uma gigantesca mobilização nacional na perspectiva de derrotar o golpe e os banqueiros contra os ataques aos trabalhadores.