Banqueiros golpistas: persiste a política de demissão em massa na categoria bancária em 2018

demissao-em-massa-na-categoria-bancaria-1024x585

Dados do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (CAGED) revela, mais uma vez, a política dos banqueiros golpistas e seus governos de demissão em massa. Somente nos quatro primeiros meses de 2018 foram colocados no olho da rua, pelos banqueiros, 11.280 trabalhadores bancários.

A ofensiva dos banqueiros e governos golpistas contra os trabalhadores bancários está a todo o vapor. Os números do Caged não deixam dúvida da política de ataques, que só vem aumentando, através da exploração e miséria dos trabalhadores para aumentar os já fabulosos lucros dos banqueiros nacionais e internacionais.

Somente nos quatro primeiros meses de 2018 já foram colocados no olho da rua mais de 11 mil bancários. Entre os números de demitidos e admitidos, no mesmo período analisado, foram fechados definitivamente 2.347 postos de emprego bancário em todo o país, fruto do fechamento de centenas de agências e setores administrativos através das reestruturações que estão ocorrendo nos bancos. Além das demissões em massa os números revelam, também, uma prática comum dos banqueiros sanguessugas de demitirem trabalhadores mais antigos que têm uma renda um pouco mais elevada para contratar outro com salários bem menores, segundo o mesmo levantamento o salário médio dos demitidos é de R$ 6.607,35 enquanto o salário médio dos admitidos é de R$ 4.007,28.

Os dados de demissões e o aumento da exploração dos banqueiros são impressionantes já nos primeiros meses do ano, um alerta para os trabalhadores o que está por vir para o próximo período.

É necessário deixar bem claro que foram justamente essas máfias bancárias, que controlam a economia mundial e nacional, que impulsionaram o golpe de Estado no Brasil, com o objetivo de promover uma espoliação sem limites da classe trabalhadora e de toda a riqueza nacional, para alimentar o parasitismo de um sistema que não consegue mais produzir nem para alimentar a sua força de trabalho.

Somente a luta dos trabalhadores poderá barrar a ofensiva dos banqueiros contra os trabalhadores bancários. As organizações dos trabalhadores devem chamar a organizar uma luta feroz contra a política da direita golpista e barrar o golpe de estado através da criação de comitês de luta contra o golpe em todos os locais de trabalho para derrotar o golpe e derrubar todas as medidas executadas pelo governo golpista de Michel Temer de liquidação dos direitos e conquistas da classe trabalhadora.