Banqueiros do Santander preparam mais um golpe no plano de previdência de seus trabalhadores

Ato na Torre do Banco Santander em São Paulo.

Os banqueiros golpistas do banco espanhol, Santander, preparam um novo golpe no plano de previdência dos bancários através da mudança do estatuto da entidade aumentando o valor da co-participação, calote com o não pagamento do abono e acabar com a participação dos funcionários através das assembleias deliberativas.

Da mesma forma como o governo golpista de Michel Temer vem atacando o fundo de previdência dos trabalhadores dos bancos públicos, com a resolução CGPAR23, nos casos do Banco do Brasil (Previ) e o da Caixa Econômica Federal (Funcef), os banqueiros do banco espanhol, Santander, abriram uma nova ofensiva contra os seus funcionários em relação à mudança no estatuto do Banesprev.

Fim das assembleias, que conta com a participação dos funcionários e têm caráter deliberativo, passando a ser uma decisão única e exclusiva da direção do banco; consolidar o calote em relação ao aporte do banco ao plano II e o não pagamento aos aposentados do abono de R$ 3.500 conquistado na última convenção coletiva; aumentar, ainda mais, a co-participação dos funcionários no plano, dos atuais R$ 125 passarão para o valor de R$ 270, ou seja, um aumento de mais de 100%, enquanto os trabalhadores ao longo dos últimos anos tiveram reajustes anuais de no máximo 1%; além disso pretendem cobrar mensalidades dos dependentes, da mesma forma como uma instituição privada de plano de saúde.

O plano de saúde dos trabalhadores do Santader é oriundo do Banestado, que foi privatizado no famigerado governo de FHC (PSDB), um patrimônio construído pelos próprios trabalhadores e é a eles que cabe o seu gerenciamento e controle. Os bancários do Santander devem organizar imediatamente uma gigantesca mobilização, juntamente como os demais trabalhadores, que vise derrotar o golpe e todas as suas consequências.