Abutres
Entre a cruz e a espada, a burguesia decadente já não se importa em deixar claro seu desprezo pelo resto da população.
menosmedicos
Expropriando governos e inflacionando remédios. Capitalismo amplifica crise. Foto: Arquivo. |

Em mais uma demonstração prática do caráter predatório do capitalismo, uma denúncia publicada no sítio The Intercept Brasil mostra que bancos controladores da indústria farmacêutica estão usando a crise do coronavírus para lucrar usando desde a especulação com os equipamentos necessários para prevenção e remédios para tratamento, até o uso do lobby para negociar acordos judiciais que ameaçam a indústria em processos da ordem de 150 bilhões de dólares.

Os setores da burguesia imperialista ligadas à indústria financeira, que dominam as empresas do ramo de fármacos, equipamentos médico-hospitalares e EPI’s médicos, tampouco tem demonstrado melhor consideração pelos trabalhadores de seus próprios países. Ao contrário, esses capitalistas tem buscado compensar as perdas sofridas no cassino das bolsas de valores em uma fonte de especulação que envolve o drama da população pobre do mundo, a mais prejudicada pela pandemia.

É preciso denunciar o caráter genocida dessa política levada adiante pelos capitalistas e assegurada pelos governos de quase todos os países. Se esse tipo de loucura pode levar à morte de 2,2 milhões de pessoas, só nos EUA (conforme denunciado em editorial do jornal imperialista The New York Times), o que fará ao resto da humanidade, em países atrasados onde as condições materiais de vida da população é infinitamente inferior, pode sem exagero, ser vislumbrado como uma tragédia humanitária.

Nesse sentido, a profundidade do caos econômico é tamanho que mesmo na maior crise capitalista em décadas, a política de uma parte significativa da burguesia é de jogar gasolina no fogo, aumentar a própria margem de lucro mesmo que isso custe uma revolta ainda maior contra um sistema que se sustenta com muita dificuldade. Dado a pouca margem de ação, em alguma medida, a ação dos banqueiros é monstruosa mas inevitável.

Por isso, a política correta para impedir essa política de abutres dos decadentes capitalistas, é a mobilização operária no sentido de expropriar as fábricas de produtos essenciais para o combate e à prevenção ao covid-19. Os capitalistas geralmente disfarçavam seu desprezo pela população. Nessa etapa da crise, nem isso estão fazendo mais. Só a ação da classe trabalhadora pode impedir que a crise impulsionada pelo coronavírus evolua para uma catástrofe ainda maior.

Relacionadas