Mais decadência capitalista
Segundo bancários, “fator medo” e queda do PIB devem prolongar e intensificar a crise econômica pós pandemia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
São Paulo SP 07 05 2020- O Dolar a caminho dos seis reais bateu novo recorde nesta quinta-feira (7), cotado a R$ 5,8459, em alta de 2,51%. foto Jorge Araujo/Fotos Publicas
Crise deve se intensificar e fatores prejudiciais a economia devem durar mais que o previsto. | Foto: Jorge Araujo/Fotos Publicas

A crise capitalista que já estava em curso e foi amplificada pela pandemia do Coronavírus já causa vários estragos na economia mundial, e as previsões são de que esses estragos terão mais episódios além do previsto. No Brasil, segundo o presidente do Banco Central Roberto Campos Neto, o “fator medo” deve influenciar a retomada da circulação de pessoas e aglomerações até meados de 2021. O apontamento foi baseado em gráficos de outros países que já estão com a volta das atividades econômicas em ritmo mais avançado do que no Brasil, e demonstrou que a circulação de pessoas não é equivalente ao que se encontrava no final de 2019, quando a maioria dos países ainda não precisava do isolamento social e das quarentenas. Mas, além do medo das pessoas, o que não podemos ignorar é que a economia terá uma forte queda não apenas por isso, mas porque os trabalhadores estão sendo os mais prejudicados durante a crise. Ficando sem renda, sem emprego, e com um auxílio que é praticamente uma esmola (isso sem contarmos os milhões que nem isso estão conseguindo receber), os trabalhadores estão entrando em um momento crítico em que milhões tendem a entrar para as estatísticas de extrema pobreza e desemprego, o que conseqüentemente torna a recuperação econômica ainda mais difícil, afinal o consumo diminui e a distribuição de renda fica ainda mais desigual.

Ainda sobre a crise, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) prevê um impacto ainda maior da crise sobre as concessões de crédito. Entre março e maio deste ano, os bancos já liberaram mais de R$900 bilhões em contratações, renovações e suspensão de parcelas de empréstimos, além de renegociações de 9,7 milhões de contratos que chegam ao valor de R$ 61,5 bilhões, feitos em sua maioria por pequenas empresas e pessoas físicas. Estes resultados são reflexos da retração econômica de 1,5% no primeiro trimestre do ano segundo o IBGE, e isso deve aumentar ainda mais se forem confirmadas as estimativas de mais de 10% de queda econômica para o ano de 2020. Além disso, se observarmos a agenda econômica do governo, podemos ver que tudo se encaixa. O governo já depositou nas mãos dos bancos mais de R$1 trilhão de reais que seriam “administrados” para salvar as micro e pequenas empresas da crise, ao invés do próprio governo resolver o problema, e isso não foi atoa, já que o próprio ministro da economia Paulo Guedes declarou que salvar as pequenas empresas seria jogar dinheiro fora, que o governo deveria investir em salvar grandes empresas. Com isso, as pequenas empresas e as pessoas físicas apesar das altas taxas de juros e até mesmo a grande burocracia para conseguir crédito, acabam sendo obrigadas a se sujeitarem as políticas bancárias. Se a procura aumenta, o governo se vê “obrigado” a injetar mais dinheiro nessas instituições que são verdadeiras sangue sugas do Estado e dos trabalhadores, cumprindo assim a lógica liberal de apenas contemplar o capital e os grandes capitalistas, o que gera ainda mais desigualdade e deixa os trabalhadores ainda mais endividados.

A crise não se limita as políticas econômicas e nem mesmo ao Brasil, no mundo todo outro fator também tem influenciado as incertezas e tensões econômicas, que são as manifestações dos trabalhadores por melhores condições de vida e pela revolta contra o sistema. Nos Estados Unidos, após o assassinato de George Floyd por um policial branco a onda de protestos violentos por todo o país que chegaram até mesmo a Casa Branca gerou instabilidade nos mercados e fez com que produtos financeiros até mais estáveis, como o ouro, sofressem oscilações. Chile, Equador, Líbano, França e agora mais recentemente o Brasil também estão presenciando manifestações contra seus governos e suas políticas que devastam a vida dos trabalhadores e isso gera a famosa instabilidade no mercado financeiro, pois é justamente uma ameaça as instituições e ao próprio sistema burguês, que já vem sendo golpeado por uma crise aguda intensificada pela pandemia do Coronavírus.

Se as previsões são de que o capitalismo possa ficar ainda mais em decadência, é hora de intensificar as organizações e as manifestações dos trabalhadores perante tal situação, pois as conseqüências dessa crise irão cair principalmente sobre o proletariado, que deve continuar pagando os prejuízos da crise burguesa. Somente a organização popular e com o povo indo as ruas é possível a derrubada de governos que só priorizam a classe burguesa, como é o caso do governo Bolsonaro, e somente assim será possível a construção do governo operário.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas