Rui Costa Pimenta faz balanço do grande ato do dia 15 de agosto

rui

Balanço do companheiro Rui Costa Pimenta, Presidente Nacional do PCO (Partido da Causa Operária), do grande ato do dia 15/08, na Análise Política da Semana de 18 de agosto.

“Logicamente que o acontecimento mais importante da semana é o ato em Brasília no dia 15. Nós temos que analisar esse ato detalhadamente porque essa análise é fundamental para a gente compreender a evolução da luta contra o golpe no Brasil e também a relação de forças que se estabelece entre a burguesia golpista e a mobilização popular. Como todo mundo sabe, a mobilização popular em defesa do Lula tem sido uma coisa extremamente complicada. Há uma certa movimentação nas redes sociais que é relativamente muito bom. Depoimento de personalidades. Mas aquilo que é o fundamental, tem estado bastante engasgado, que é a mobilização popular nas ruas contra a prisão do Lula em primeiro lugar, pela liberdade do Lula depois. Isso tem sido um movimento extremamente truncado, desde o começo. Tanto que nós pudemos ver aí que os atos que foram feitos antes da prisão do Lula foram todos muito fracos e depois da prisão do Lula também. O acampamento que é feito em Curitiba, que é uma iniciativa de um conjunto de militantes apoiados por diversos setores, também não é um acontecimento de massas e embora importante se mantém como um evento bastante minoritário.

Nesse sentido a primeira coisa que chama atenção no ato do dia 15 é que ele tenha sido sem dúvida nenhuma o maior ato em defesa do Lula até agora. Nós tivemos o 1° de maio em Curitiba, tivemos dois, três atos em Curitiba e esse foi o maior de todos. A primeira pergunta pergunta que nós temos que fazer em termos de análise é: por que esse ato foi o maior de todos? A explicação tem que ser uma explicação direta. Esse ato foi o maior de todos porque, independentemente da falta de mobilização efetiva em torno da defesa do Lula, o movimento de defesa do Lula tem crescido nacionalmente nesse período. Tem crescido até de uma maneira, nós podemos até dizer, exponencial. Quer dizer, o tamanho do ato não é devido nem ao tema em si, que é o registro da candidatura do Lula, porque seria um pouco absurdo que as pessoas estivessem dispostas a registrar o Lula, mas não impedir que ele fosse preso. É quase que seria uma declaração de que eles gostam de ter um candidato na cadeia. Então isso daí logicamente não pode servir como explicação. E não houve nenhuma alteração no que diz respeito a mobilização em geral em defesa do Lula, principalmente em setores expressivos do PT. Coisa que nós temos criticado aqui insistentemente. Nós falamos, muitas vezes, que se os governadores e parlamentares do PT, de conjuntos, tivessem se jogado na mobilização, nós teríamos um resultado muito maior até agora. Nesse ato aqui nós vimos o mesmo panorama. Não houve nenhuma mobilização do aparato geral do PT. Pelo contrário, nós ouvimos durante o ato e nós fomos testemunhas disso, que em muitos lugares o PT não colocou ônibus a disposição do pessoal que queria ir e apresentou uma série de explicações diferentes que não explicou nada logicamente, porque não poderia ter outra prioridade senão a realização desse ato. O que produziu uma enorme insatisfação entre vários setores que acabaram conseguindo chegar em Brasília e setores que não chegaram a Brasília de jeito nenhum.

Então, esses dois fatores se mantiveram. Não são fatores decisivos. O segundo fator se manteve inalterado. Não aconteceu nada de novo. Não houve uma mobilização maior do aparato do PT. Aqui estou me referindo aquele setor do PT que estão no poder público, que teriam uma grande capacidade de mobilização. Principalmente os governadores, mas também prefeitos, também senadores. Parlamentares. Ficou evidente para todos que uma boa parte dos parlamentares e deputados federais, estaduais e senadores simplesmente não participaram da mobilização em defesa do Lula. Então o crescimento do ato, que não só carece são crescimentos, digamos assim, não motivados pelo o desempenho de uma determinada máquina política, como o que se dá até certo ponto contra essa máquina política, ele reflete um crescimento da campanha do Lula em escala nacional.  

Como é que nós podemos relacionar esse ato com esse crescimento? Quais outros fatores permitiriam tirar essa conclusão?

Bom, nós vimos aí, que não apenas foi realizado no Rio de Janeiro um show em defesa do Lula, que foi completamente lotado, como que nós vimos que em várias partes do país aconteceram manifestações espontâneas em defesa do Lula. Isso está em toda a rede social. Em alguns lugares essas manifestações foram muito grandes e de um modo geral, se nós estamos aí atuando no meio da população é muito perceptível o crescimento do apoio ao Lula. Da defesa da sua liberdade. Da defesa da sua candidatura e tudo mais”.