De volta FHC?
Dessa vez é a cidade de Teresina, no Piauí, que sofre com um apagão que deixou dez bairros sem luz; esse último marca uma série de apagões que vem acontecendo desde 2020
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
apagao-de-energia-na-grande-maceio-foi-defeito-em-subestacao
Uma série de apagões acontecem após privatizar a água | Foto: Reprodução

O Brasil vive, novamente, um período de apagões. Em várias regiões do País a população é martirizada com algo que não acontecia de forma tão exponencial desde os períodos de Fernando Henrique Cardoso, do PSDB. Dessa vez, quem ficou no escuro foi a população de Teresina, capital do Piauí, um dos estados mais pobres da federação. O apagão perdura desde o dia 31 de dezembro, em pelo menos dez bairros da cidade, obrigando os piauienses a passarem a virada na escuridão completa. As pessoas afetadas pelo apagão não se viram passando de 2020 para 2021, mas sim retrocedendo para os anos 90 e aao duro período neoliberal de FHC. Como resposta a três dias completos sem luz, a população saiu às ruas para protestar contra a falta de luz; que causa inúmeros prejuízos, como a perda de alimentos e de medicações que dependem de refrigeração, como a insulina. A desculpa do poder público é que uma árvore teria caído e, por isso, a população estaria sem luz há dias; uma desculpa esdrúxula, se o fosse poderia ser facilmente resolvida em questão de horas. 

Segundo relatos da imprensa local, os piauienses saíram e fecharam ruas com pneus queimados para demonstrar sua revolta com tamanho descaso. Entre as palavras de ordem mais presentes estava: “queremos energia”. A população, vendo a falta de interesse do poder público, dominado pela oligarquia local, resolveu agir pelos seus próprios meios: com uma mobilização de revolta contra a situação a que estão submetidos.

Outro caso semelhante ocorreu no Sul de Minas Gerais, o que começa a demonstrar que não são casos isolados, mas uma política geral da direita para a população. Nessa região uma explosão dos geradores gerou o apagão de diversas cidades que dependiam deles, também no dia 30 de dezembro. As cidades afetadas somam mais de seis na região, incluindo Muzambinho, Nova Rezende, Machado e Alfenas. Segundo as autoridades locais, das quais se deve ter a máxima desconfiança, “está tudo bem e não há mais motivo para preocupação”. O que podemos facilmente traduzir como não está nada bem e os motivos para preocupação ainda são inúmeros 


Esses dois casos, tanto no Piauí quanto em Minas Gerais, acontecem logo após o estado do Amapá ter ficado na escuridão por 22 dias. O apagão no estado do Amapá é considerado um dos maiores blackouts do Brasil desde o Apagão de 1999, durando o governo privatista do FHC, que atingiu parte do país. Teve seu início no dia 3 de novembro de 2020, atingindo 13 dos 16 municípios do estado, incluindo a capital Macapá. O início da retomada da energia elétrica aconteceu em 7 de novembro de 2020 em alguns bairros de Macapá e uma parte de Santana, dando início ao sistema de rodízio, inicialmente de seis horas, com exceção de bairros que atendem serviços essenciais, que passaram a ter a energia por 24 horas. Em 12 de novembro, o racionamento é reduzido para 4 horas, ocorrendo em dias pares e ímpares e se estendendo nos outros 11 municípios atingidos. No dia 17 de novembro de 2020, ocorreu um segundo apagão após uma falha na distribuição de energia, com o problema sendo totalmente solucionado na madrugada do dia 18. Na madrugada do dia 24 de novembro de 2020, a energia foi totalmente estabelecida. Um prolongado e arrastado tormento que a população do estado teve que viver, em meio da pandemia que já assolava o estado.  

O apagão foi marcado por protestos de revolta da população que sofreu com a escuridão histórica. O governo ilegítimo Jair Bolsonaro mandou o aparato de repressão para cima da população, enquanto serviços essenciais, como hospitais e o abastecimento de água potável haviam acabado, esgotando-se totalmente os recursos com a falta de energia. Até a Força Nacional de Segurança foi convocada a reprimir a população que estava no desespero em meio à situação caótica. Os policiais faziam questão de mostrar suas armas em punho e há relato de um garoto de 13 anos que perdeu a visão nos confrontos com a Polícia Militar. 

Está claro que o que está acontecendo no País, com os apagões em diferentes regiões, é um retrocesso à era FHC. É necessário uma denúncia contundente e sistemática por parte dos ativistas e organizações para organizar os trabalhadores e mobilizar os mesmos em massa, nas ruas, para reverter esse quadro que se transforma, cada vez mais, e um situação medieval que afeta milhões de brasileiros, entre crianças e idosos, e que vai continuar se expandindo em todo País.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas