Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Concessao_Pau_Brasil_Ramilla_Rodrigues_42
|

O Ministro fascista do Meio Ambiente Ricardo Salles veio até o município de Porto Seguro, no Extremo Sul da Bahia, para lançar a “Pedra Inaugural da Privatização” do Parque Nacional do Pau-Brasil. A entrega desse imenso patrimônio de mais de 18 mil hectares para a exploração desenfreada das empresas privadas realizada sem uma ampla divulgação e esclarecimento da população, e muito menos para os atingidos pela criação da unidade de conservação.

Houve uma rápida e cara cerimonia para atender o ministro bolsonarista e grande parte dos funcionários do Instituto Chico Mendes de Conservação foram convocados para participar da cerimonia para que esta não ficasse esvaziada, pois a população foi impedida de participar.

Enquanto o patrimônio ambiental era entregue para os empresários interessados no lucro oriundo da visitação, há menos de 20 quilômetros outra unidade de conservação estava sendo destruída pelo fogo.

O Parque Nacional do Monte Pascoal, onde localiza-se o monte que teria sido avistado pelos portugueses na chegada ao Brasil e por isso também de grande importância história, com seus mais de 22 mil hectares estava ardendo em chamas. E pasmem, os indígenas que combatiam o fogo sem o mínimo de estrutura que poderia ser fornecida pelo próprio Ministério do Meio Ambiente comandado pelo fascista.

Mas esse tipo de política sempre é colocado em prática pela extrema-direita privatista, deixam o parque ser destruído pelo fogo para criar um clima favorável e justificável para a privatização do Parque Nacional do Monte Pascoal.

Em vez de combater o fogo ou, no mínimo, enviar recursos para que os povos indígenas combatam o fogo na unidade de conservação, o fascista Ricardo Salles e seus capachos que comandam o ICMBio gastam tempo para montar uma cena e a procura de “provas” para incriminar os movimentos sociais, partidos políticos, indígenas e a população local que queriam explicações sobre o processo de privatização.

Essa situação tem que ser denunciada amplamente pela população da região e, em especial, para as comunidades do entorno e comunidades indígenas que dependem do turismo dessas unidades de conservação.

É por isso que a privatização ocorre “as escondidas” e em atividades e consultas bem controladas. Fazem isso para esconder os verdadeiros objetivos da privatização e tirar o poder de decisão das comunidades que vivem há centenas de anos como posseiros ou comunidades indígenas e são os verdadeiros interessados na proteção dos recursos naturais.

 

Vejam os vídeos do incendio que há semanas destroem o Parque Nacional do Monte Pascoal

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas