Filme nacional
O filme brasileiro “Bacurau”, que mostra a resistência do nordestino contra o fascismo, é apontado como candidato ao Oscar 2021 por site americano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bacurau (1)
Cena do longa metragem brasileiro Bacurau | Foto: Reprodução

O longa metragem “Bacurau”, mostra o nordeste resistindo à barbárie fascista. Lançado em agosto de 2019 no Brasil, é o único filme brasileiro que ainda tem grande chance de concorrer a edição do Oscar do ano que vem. Pois a obra foi lançada apenas no começo de 2020 nos Estados Unidos, país que sedia o Oscar, antes do fechamento dos cinemas por conta da pandemia. O longa dos pernambucanos Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, com grande participação de Sônia Braga, foi um dos filmes concorrentes para representar o Brasil no Oscar 2020, só que perdeu o lugar para “A Vida Invisível” de Karim Aïnouz.

Anteriormente, a obra foi ovacionada em vários outros festivais, conquistou o Prêmio do Júri no Festival de Cannes, na França, onde desbancou nomes como Almodóvar, Tarantino e Dolan. Melhor Filme no Festival de Cinema de Munique, na Alemanha, e o Prêmio da Crítica Internacional no Festival de Cine de Lima, no Peru Um misto sofisticado de faroeste, suspense e ficção científica, Nas palavras dos diretores, um western brasileiro, que mistura aventura e ficção científica. Onde expõe perfeitamente o espírito do tempo, crítico do golpe de 2016, em que o Brasil passa um momento social e político muito turbulento até os dias de hoje.

Bacurau é um vilarejo do município fictício de Serra Verde, no Oeste de Pernambuco, onde o fio condutor da trama é Teresa (Barbara Cohen), que retorna para o velório a avó Carmelita (Lia de Itamaracá), uma matriarca local. A primeira parte do filme, é dedicada a apresentar personagens singulares que compõem a cidadezinha, é uma comunidade que tem fim em si mesma. No decorrer da história, entende-se que Bacurau está sendo atacada por uma força externa e desconhecida. A obra mostra tempos de opressão e de armas, principalmente para o povo nordestino que são estereotipados como povo ignorante. Mas na verdade é ao contrário, o nordestino não é bobo, mostra no longa que eles sabem o que é drone, sabem que a sua cidade sumiu do mapa e que por isso sabem que a comunidade precisa se unir para se salvar da morte e da violência.

É um filme de esquerda, onde a violência é usada para defesa coletiva da sobrevivência, sendo possível se impor e recorrer a ela para defender seus limites. Que mesmo com o aviso no início do filme “Bacurau: se for, vá na paz”, ainda nos surpreendemos quando os moradores retribuem, defendendo-se da violência gratuita feita pelos fascistas que se encontram no momento na região. Sendo um chamado para o povo, para a luta de classes, sem mais espera e tolerância, os inimigos do povo precisam ter o que merecem.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas